Sexta Feira, 23 Agosto 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Ong documenta mês de violência dos assentados de Israel contra os palestinos

No mês de junho, os colonos israelenses atacaram pelo menos dez aldeias palestinas na Cisjordânia ocupada, com danos significativos às propriedades e às lavouras

De acordo com a organização israelense de direitos humanos B’Tselem, junho foi “outro mês de violência rotineira de colonos, totalmente apoiada pelos militares”.

Colonos vandalizaram propriedades em dez comunidades em toda a Cisjordânia, além de queimarem cerca de 1.800 árvores e dezenas de dunams de campos de grãos, “arrancando mais de 700 mudas de vegetais e danificando pelo menos 55 carros e pintando com spray pichações de ódio em prédios”, afirmou B ‘Tselem.

Na área de Nablus, “colonos jogaram pedras em uma casa de família na aldeia de Yasuf, quebrando as janelas e perfurando os pneus do carro da família”, enquanto “na aldeia de Jalud, colonos queimaram mais de mil árvores em terras pertencentes a 21 agricultores e jogaram pedras na escola ”.

Enquanto isso, “na aldeia de Madama, colonos incendiaram fazendas e o fogo se espalhou para terras pertencentes à vila de Burin, consumindo cerca de 180 árvores frutíferas”, e “na aldeia de Einabus, colonos perfuraram os pneus de três carros e grafitaram slogans na mesquita ”.

No centro da Cisjordânia, os colonos perfuraram os pneus de 22 carros em Beitin, Sinjil e Kafr Malik. Em Burqah, “colonos incendiaram campos e queimaram cerca de 200 oliveiras e outras árvores frutíferas”, enquanto em Al-Mughayir, “os colonos queimaram cerca de cinquenta dunams de campos de trigo e feno e cerca de 370 oliveiras”.

Outros exemplos citados por B’Tselem incluem ataques de colonos na região de Belém, onde eles “danificaram equipamentos agrícolas na aldeia de Wadi Fukin e desarraigaram mais de 700 mudas e quatro oliveiras”.

De acordo com B’Tselem, “esses atos de violência, que são apoiados pelos militares, ocorrem a cada mês há anos”.

"Faz parte da política de Israel na Cisjordânia e serve à agenda do estado. A política em si é projetada para reduzir a agricultura palestina e gradualmente transferir áreas que foram abandonadas devido ao medo da violência para os colonos.

A ong acrescentou: “Como parte dessa política, e para permitir esses atos de violência, as autoridades raramente investigam os crimes e as chances de que qualquer um dos criminosos seja punido por suas ações são minúsculos. Os colonos estão bem conscientes desse fato, assim como os palestinos que permanecem indefesos ”.

 

Fonte: Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.