Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

ONU: Acordo de Oslo com Israel prejudica a economia palestina e agrava a dependência

Um relatório da ONU apresentado hoje em Ramallah alertou para a "deterioração constante da economia palestina na maioria de seus indicadores" e o atribuiu à "alta dependência" de Israel que levou aos Acordos de Oslo.

"Apesar do estado temporário de otimismo que se seguiu à assinatura" do Protocolo de Paris de 1994, que define as relações econômicas entre Israel e a Autoridade Nacional Palestina (PNA) nos Acordos de Oslo (1993-1995), seus resultados foram "contraproducentes", segundo o relatório.

O estudo preparado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) considera que as restrições ao movimento de pessoas e bens e às medidas de segurança e militares da ocupação israelense geram um déficit fiscal e comercial "crônico".

Conclui que o impacto da ocupação causa a perda de cerca de 110.000 oportunidades de emprego a cada ano ", o que poderia reduzir o desemprego em 9%" no período entre 2000 e 2017.

Os custos fiscais acumulados neste mesmo período atingem um total de cerca de 19.500 milhões de dólares, "equivalente a 140% do PIB" de 2017, o que constitui uma quantia maior "do que a produção bruta da economia palestina" em um ano inteiro

Para a UNCTAD, esses custos limitam severamente as autoridades palestinas, que ao não controlar totalmente seu território, fronteiras ou circuitos comerciais, não têm soberania fiscal total para cobrar impostos ou taxas, o que as impede de articular uma economia autônoma e independente.

Somente isso, observa a UNCTAD, implica a perda de grande parte da renda palestina de cerca de "120 milhões de dólares por ano".

Essa realidade é expressa em situações como o controle da chamada Zona C, que constitui 60% da Cisjordânia ocupada e está sob administração e segurança israelense, o que torna a possibilidade da ANP de se beneficiar do potencial econômico da área ser muito limitada.

"Esta situação enfraqueceu a economia palestina, privando-a de sua capacidade de se beneficiar" da agricultura, turismo, comércio ou outros recursos naturais da região, destaca a UNCTAD, que recomenda que todas essas questões sejam abordadas em futuras negociações "em um novo quadro retificado ".

Também sugere um acordo para permitir a presença da polícia aduaneira palestina "nas passagens de fronteira", a fim de gerenciar melhor o acesso de mercadorias importadas em seu território ou de produtos que a deixam sem passar por seu controle.

 

Fonte: Agência EFE

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.