Sexta Feira, 19 Abril 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

ONU renova pedido de investigação internacional sobre a morte da jornalista palestina veterana Shireen Abu Akleh

As Nações Unidas renovaram seu apelo para uma investigação internacional sobre o assassinato da veterana jornalista palestina Shireen Abu Akleh, que foi morta pelas forças israelenses quando estava em missão na cidade ocupada da Cisjordânia do norte de Jenin.

"Nossa posição sobre o assassinato de Shireen Abu Akleh não sofreu alterações", disse Farhan Haq, porta-voz adjunto do Secretário-Geral das Nações Unidas Antonio Guterres, em uma coletiva de imprensa em Nova York, quando perguntado sobre a posição do chefe da ONU em relação a uma sonda internacional sobre as circunstâncias em torno do assassinato da correspondente de televisão palestina de 51 anos da rede de notícias de televisão árabe al-Jazeera sediada no Qatar, em 11 de maio.

 

Ele acrescentou: "Ainda queremos que este assunto seja minuciosamente investigado e que os responsáveis pelo assassinato sejam responsabilizados".

 

Sobre se Guterres apoia a investigação do Tribunal Penal Internacional sobre o assassinato do jornalista na Cisjordânia ocupada, Haq disse, "temos sido claros que apoiamos as investigações que têm sido realizadas e queremos ter certeza de que elas cheguem a um resultado aceitável para todas as partes [interessadas]".

 

Abu Akleh estava usando um colete de proteção marcado com "PRESS" e em pé com outros jornalistas quando foi morta a tiros por um atirador israelense.

 

Ali Samoudi, um jornalista palestino que a acompanhava, foi hospitalizada em condições estáveis após ter sido baleada pelas costas.

 

Samoudi disse à Associated Press que eles estavam entre um grupo de sete repórteres que foram cobrir a batida do exército israelense no campo de refugiados de Jenin.

 

Ele disse que todos eles estavam usando equipamentos de proteção que os marcaram como repórteres, e que passaram pelas tropas israelenses para que os soldados os vissem.

 

O jornalista disse que o primeiro tiro falhou, depois um segundo o atingiu, e um terceiro matou Abu Akleh, acrescentando que não havia combatentes ou outros civis na área - apenas os repórteres e as tropas do exército israelense.

 

Shaza Hanaysheh, uma repórter de um site de notícias palestino, que também estava entre os repórteres, deu um relato semelhante, enfatizando que não houve confrontos ou tiroteios na área imediata.

 

A Al-Jazeera descreveu a morte de Abu Akleh como um "assassinato flagrante" que viola "as leis e normas internacionais" e disse que ela foi "assassinada a sangue frio".

 

A rede designou uma equipe jurídica para encaminhar seu assassinato ao Tribunal Penal Internacional (ICC) em Haia.

 

O Ministério da Informação da Palestina condenou o que disse ser um "crime chocante" cometido pelas forças israelenses.

 

"A ocupação israelense tem repetidamente atacado, ferido e agredido jornalistas palestinos. Shireen se junta a outros jornalistas que Israel matou enquanto eles trabalhavam para revelar os crimes da ocupação israelense.

 

"A matança nunca poderá impedir nosso povo de continuar a luta pela liberdade, apenas encurtará a vida do regime ocupante, e nos aproximará mais da liberdade e do fim da impunidade israelense", disse em uma declaração.

 

Fonte: https://daysofpalestine.ps/un-renews-call-for-intl-probe-into-killing-of-veteran-palestinian-journalist-shireen-abu-akleh/



  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.