Sexta Feira, 21 Junho 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

O que espera a Mesquita Al-Aqsa quando se aproxima o feriado judaico

Os últimos meses foram os mais pesados na Mesquita Al-Aqsa desde sua ocupação em 1967. As agressões contra a mesquita aumentaram e a ascensão dos Grupos do Templo tentavam judaizá-la; além disso, a cada eleição israelense, as taxas de agressão aumentavam drasticamente. Em 24 de maio de 2022, os extremistas judeus invadiram a mesquita para realizar rituais Talmúdicos, com forte proteção da polícia israelense.

Durante anos de crescente agressão, as épocas festivas judaicas são as mais pesadas, especialmente 'Yom Kippur' e Ano Novo hebraico, de acordo com Zyad Ibhes

 

 

 

Agressão sem precedentes

 

Os grupos do templo estão preparando programas para invadir o Al-Aqsa, começando de 26 de setembro a 1º de outubro. Ibheis disse que os israelenses estão se preparando para que a próxima temporada de férias seja a mais forte agressão em 2022, considerando a época de eleições israelenses. "Este estudo", continua ele, "será coroado com pontuação política entre a extrema-direita e a outra mais extrema".

 

Lidar com o Templo como um edifício existente enquanto desfilava os rituais seria o núcleo da agressão esperada. Dito isto, "devemos perceber que impor rituais judeus foi o coração dos governos israelenses e dos grupos de extrema-direita durante os últimos três anos", acrescenta ele.

 

Os grupos de extrema-direita aproveitam a época das festas para executar mais tumultos e aumentar o número de participantes. Eles também, querem impor uma nova realidade, para conseguir a divisão espacial e temporal da mesquita. A temporada de férias começa na segunda e terça-feira (26-27 de setembro), logo após o Ano Novo hebraico. Grupos de Templos procuram explodir o Shofar várias vezes. Isto já aconteceu atrás das câmeras no ano passado.

 

A temporada de feriados começa com Yom Kippur. Os extremistas se certificam de fazer tempestades em grande número, usando o vestido de perdão ou a sacristia. Eles visam uma presença da liderança judaica em paralelo com a liderança islâmica e impondo um cerco e postos de controle militar nas portas da Mesquita. Enquanto as forças de ocupação israelenses impedem a entrada dos palestinos, elas permitem a entrada dos colonos.

 

Quanto a Sukkot, o cerco começará na segunda-feira e durará dois dias. Os colonos incluirão o sacrifício vegetal em seus rituais. De acordo com o Ibheis, os grupos do templo correm uma corrida para alcançar um recorde de invasores. No final do feriado, eles agradecem à polícia israelense e exibem sua hegemonia sobre a mesquita.

 

 

 

Tempos difíceis

 

Os feriados judaicos representam uma ameaça para a Al-Aqsa. Nestes tempos, tumultos e agressões são os piores e maiores, de acordo com Jamal Amro. "Al-Aqsa está passando por um momento difícil e sendo atingido pela mais pesada agressão israelense. Isto visa sua história, monumentos e adoradores", explica ele.

 

"À medida que o feriado se aproxima, há muitas agressões e planos injustos sendo preparados", diz Amro. "O pior espera Al-Aqsa porque as forças de ocupação e os grupos extremistas judeus estão se tornando cada vez mais ousados e arrogantes". Enquanto um silêncio árabe e islâmico, e a ausência da tutela jordaniana", ele segue.

 

Amro chama os mundos árabe e islâmico a interferirem urgentemente para resgatar a mesquita antes que seja tarde demais. Ele também diz: "devemos trabalhar em mobilizações públicas para acabar com a ocupação".

 

Fonte: https://daysofpalestine.ps/what-awaits-al-aqsa-mosque-as-jewish-holidays-approach/

  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.