Sábado, 07 Dezembro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Povo Palestino

Os protestos da Grande Marcha do Retorno saíram pela culatra

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.Sexta-feira foi a terceira semana consecutiva em que os protestos da Grande Marcha de Retorno e do Rompimento da Cerca não ocorreram na Faixa de Gaza. Eles aconteciam todas as semanas desde 30 de março de 2018 até esse hiato.

O Alto Comitê para a Grande Marcha do Retorno disse que o protesto foi cancelado na sexta-feira passada por razões de segurança, para não dar às forças de ocupação israelenses a oportunidade de atirar em mais manifestantes. Esta foi quase literalmente a mesma declaração emitida nas duas sextas-feiras anteriores. Todas as facções palestinas que fazem parte do Alto Comitê insistiram que os protestos poderiam retomar a qualquer momento quando necessário.

Segundo um membro do Movimento de Resistência Islâmica da Palestina, o Hamas, que é a facção mais proeminente por trás dos protestos, seus principais objetivos quase foram alcançados. “Veja o cerco imposto a Gaza”, explicou Khalil Al-Hayya, “Israel abriu as passagens, levantou várias restrições comerciais, aumentou o fornecimento de eletricidade, permitiu o comércio com o Egito, permitiu a ajuda do Catar e ampliou a zona de pesca, e muitos outras coisas.”

Ele acrescentou que a questão do direito de retorno dos palestinos também foi recolocada na agenda internacional como resultado dos protestos, que demonstraram que Israel se opõe a esse direito legítimo. “Também alcançamos outros objetivos, como o reforço da unidade nacional que se materializou através da Sala Militar Conjunta e inclui as alas militares de todas as facções palestinas”.

O período relativamente calmo das últimas três semanas sugere que as facções em Gaza desejam um acordo com Israel que permita que os palestinos desfrutem de alguma estabilidade econômica e social. Dizem que as autoridades israelenses de todos os níveis compartilham essa idéia.

“A liderança do Hamas em Gaza, liderada por Yahya Sinwar, mostra grande interesse em chegar a um acordo de longo prazo com Israel”, escreveu Amos Harel no Haaretz na semana passada. “O Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel apóia medidas de longo alcance em Gaza em troca de garantias de silêncio … [mas] a decisão final cabe aos políticos”.

Harel parecia ter medo de que Israel perdesse essa oportunidade quando explicou que os políticos israelenses estão “atolados em uma crise jurídica e política centrada em três acusações contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, além de grandes dificuldades na formação de um novo governo.

“O final rápido da última rodada, que durou dois dias [e durante os quais 36 palestinos foram mortos em ataques israelenses], deu a Israel uma chance rara de progredir – e talvez capitalizar a oportunidade perdida há cinco anos, depois o conflito de 2014 “.

No sábado, o Canal 12 de Israel informou que o ministro da Defesa Naftali Bennett havia ordenado que o exército israelense realizasse um estudo de viabilidade para um porto de ilha artificial na costa de Gaza para facilitar o comércio dentro e fora do enclave. Segundo o Times de Israel, Bennett também instruiu o chefe de gabinete Aviv Kohavi a realizar um estudo de segurança para examinar a possibilidade de também ter um aeroporto na ilha proposta.

Essa ideia foi iniciada por Yisrael Katz em 2017, quando ele era o ministro dos Transportes e da Inteligência, mas foi suprimida por outros ministros e não atingiu o nível das discussões do gabinete. Hoje, Katz é o ministro das Relações Exteriores de Israel e disse, segundo o Times de Israel, que tinha o direito de estabelecer equipes de trabalho conjuntas entre seu ministério, o Ministério da Defesa e o Conselho de Segurança Nacional. “Durante anos, venho promovendo a iniciativa das ilhas flutuantes”, ele twittou no sábado. Ele insistiu que esta é a única solução para Gaza.

Palestinos se reúnem na cerca de separação para a Grande Marcha do Retorno, em 8 de novembro de 2019 [Mohammed Asad/Moitor do Oriente Médio]

“Nesta semana, conheci o ministro da Defesa Bennett, que, ao contrário de seus antecessores [Avigdor Lieberman, que estava entre os ministros que se opuseram à idéia em 2017], expressou seu apoio à promoção da iniciativa. Atualizei o primeiro-ministro Netanyahu e espero que possamos avançar em breve. ”

O chefe do bloco parlamentar do Fatah, Azzam Al-Ahmad, criticou a idéia de porto e aeroporto e até se opôs a quaisquer outras medidas para amenizar o cerco israelense imposto a Gaza se não for coordenado com a Autoridade Palestina dominada por seu partido. O fracasso em garantir essa coordenação, disse ele à imprensa palestina no domingo, “reforçaria a divisão entre a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, que são as duas partes do futuro estado palestino independente”.

A pesquisadora de Gaza Rifqaa Abdul-Kader criticou os comentários da autoridade do Fatah. “Congratulamo-nos com qualquer medida para melhorar a vida do povo palestino em Gaza, incluindo o possível porto e aeroporto. A AP deve permanecer em silêncio quando houver relatórios sobre essas soluções. ”

Em declarações à MEMO, ela disse que as pessoas em Gaza estavam sob um cerco israelense estrito e enfrentaram várias ofensivas militares israelenses que levaram a milhares de mortes e feridos. “Nenhum órgão estatal ou oficial do mundo inteiro, incluindo a AP, fez nada para ajudá-los ou impedir as medidas israelenses contra eles”, explicou ela. “Em vez de rejeitar soluções para Gaza, a AP deve suspender suas próprias sanções impostas ao enclave sitiado e pagar os salários de milhares de servidores públicos, pagar despesas administrativas e operacionais para os ministérios, incluindo os ministérios da educação e da saúde, liberar os pagamentos anuais para instituições educacionais em Gaza e concordar em realizar as eleições. ”

No entanto, o analista político Fawzi Mansour sugeriu que Israel não tem “intenções inocentes” com relação às “possíveis” medidas relacionadas ao alívio do cerco imposto a Gaza. “Israel pode estar planejando reforçar a total separação entre Gaza e a Cisjordânia através dos novos terminais [marítimos e aéreos]”, disse ele.

Um resultado dos protestos da Grande Marcha do Retorno, que as facções palestinas descrevem como realizações, é o hospital americano a ser estabelecido no norte da Faixa de Gaza. O hospital terá dois portões: um que dá acesso do lado de Israel da fronteira nominal, controlado pelos serviços de segurança israelenses; o outro do lado de Gaza e controlado pelos serviços de segurança palestinos no território.

Segundo Hussein Al-Sheikh, ministro de Assuntos Civis da PA, este hospital é “uma base americana sendo construída em Gaza e o Hamas não tem o direito de fechar um acordo com nenhuma das partes sobre o estabelecimento de tal instalação”. que este é um dos resultados negativos dos protestos em Gaza. Enquanto isso, a ministra da Saúde da AP Mai Kila aceitou que que se trata mesmo de um hospital, mas disse que deveria ser administrado por seu ministério.

Outro ataque a Gaza: Israel apertando a vida de Gaza – Cartum [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O porta-voz do Hamas Hazim Qasim disse ao MEMO que as reivindicações da AP são completamente falsas. A questão do hospital não foi aceita apenas pelo Hamas, explicou ele, mas por todas as facções palestinas. Ele acrescentou que as facções supervisionariam em conjunto o trabalho deste hospital, não apenas o Hamas, e isso garantiria que “não haja custo político para ele”. O funcionário do Hamas também pediu à AP que levantasse as sanções impostas a Gaza em vez de “Demonizar quaisquer ganhos que a resistência tenha alcançado para os palestinos sitiados em Gaza”.

Embora salientando que alegações negativas sobre a natureza do hospital americano não possam ser totalmente falsas, o analista político e acadêmico palestino Hossam Al-Dajani refutou o relatório de que simplesmente será uma base de segurança dos EUA para ajudar Israel. “Tenho certeza de que é apenas um hospital”, disse ele ao canal árabe da Al Jazeera na noite de domingo, “mas se tiver outros propósitos, a resistência palestina em Gaza manterá um olho em seu trabalho, a fim de garantir que não faça mais do que atividades humanitárias. ”

Então, os protestos da Grande Marcha do Retorno acabaram sendo contra os palestinos se a presença americana em Gaza é o resultado? O Hamas não acredita nisso.

“As marchas provaram que os protestos populares de resistência controlados por facções palestinas fortes e unidas são mais eficazes e menos dispendiosos do que outras formas de resistência nesta fase”, disse o porta-voz do movimento. “Eles continuarão sendo uma ferramenta nas mãos da resistência palestina para serem usados quando necessário.”

 

Fonte: Motasem A Dalloul, Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.