Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Os europeus tentam estrangular o elefante em uma caixa de sardinhas. Hamas é um modelo

Por Ahmed Al-Helah

Alguns países ocidentais apoiaram a ideia de se comunicar com o movimento "Hamas", por ser uma parte fundamental e inatacável na equação palestina.

 

No dia 20 deste mês, a chanceler alemã Merkel expressou seu apoio à negociação com ela, dizendo: "Nem sempre é necessário negociar diretamente com ele, mas o Hamas deve estar envolvido de alguma forma, porque sem o Hamas não haverá cessar- incêndio." Ela acrescentou: "Claro, deve haver contatos indiretos com o Hamas."

 

No mesmo contexto, uma fonte europeia responsável, que descreveu Al-Rafa'i, disse à Al-Jazeera (21 de maio), dizendo: "A União Europeia terá de lidar com o Hamas de uma forma ou de outra porque faz parte da solução ", acrescentando:" Lidar com o Hamas está condicionado a alcançar a reconciliação palestina primeiro, após a reconciliação. Os europeus podem ter contatos indiretos com o Hamas. "

 

Essas declarações parecem ser uma nova abordagem europeia para lidar com o movimento "Hamas" e a resistência palestina em geral. Para compreender ou explicar essas mudanças relativas no discurso europeu, paramos nas seguintes observações:

 

“Este discurso não significa necessariamente uma mudança fundamental na posição europeia sobre o "Hamas", visto que o movimento ainda é um terrorista na classificação europeia. ”

 

Primeiro: Este discurso não significa necessariamente uma mudança fundamental na posição europeia sobre o "Hamas", já que o movimento ainda é um terrorista na classificação europeia, sem falar que a posição de Merkel veio durante a visita de seu ministro das Relações Exteriores, Heiko Maas, a Tel Aviv (20 de maio), afirmando a solidariedade da Alemanha com Israel durante sua agressão a Gaza. Isso sem falar que Armin Laschet, chefe do Partido Democrata Cristão (partido de Merkel) e seu candidato ao cargo de chanceler na Alemanha, pediu "medidas mais duras para lidar com o Hamas e seus simpatizantes em solo alemão", acusando o Hamas de ser uma "organização terrorista que enfraquece a Autoridade". "E para prejudicar os palestinos em Gaza, e não a vejo - segundo ele - como um interlocutor do governo alemão no momento."

 

Segundo: Ao olhar para essas afirmações, é necessário lembrar a posição americana, que normalmente constitui um determinante básico para a compreensão da natureza e do teto da posição europeia. Os Estados Unidos manifestaram seu apoio ao direito de Israel de se defender, diante dos mísseis da resistência e do movimento "Hamas", classificado como terrorista americano. No entanto, aqui deve ser salientado que Washington foi forçado a intervir para impedir a agressão israelense em Gaza e para alterar sua retórica sobre Jerusalém e o bairro de Sheikh Jarrah, por razões a mais importante das quais é proteger Israel de si mesmo quando não foi capaz durante o período que Washington lhe concedeu de eliminar a infraestrutura da resistência, e quando ela começou a surgir. As vozes dos legisladores estadunidenses no Partido Democrata (partido do presidente Biden) criticando o comportamento do exército israelense, que mata crianças e destrói residências e assessorias de imprensa (a Torre de Evacuação) na frente das câmeras e durante a transmissão ao vivo, o que faz com que a narrativa israelense caia na frente da opinião mundial e do público estadunidense, que saiu às dezenas. Milhares em Washington, Nova York e Michigan para exigir o fim da agressão israelense, que, se continuar, constituirá um constrangimento e uma desorganização para o governo dos Estados Unidos liderado por Joe Biden, que levanta a brigada de defesa dos direitos humanos. Isso sem falar do medo das repercussões do que está acontecendo na Palestina sobre os países da região árabe e seus regimes, que se tornaram constrangedores diante das pressões da opinião pública, especialmente os regimes que estabelecem relações de normalização com a ocupação israelense.

 

Terceiro: Voltando ao vocabulário da declaração do oficial europeu à Al-Jazeera, descobrimos que ele falou sobre a importância do contato oficial indireto com o Hamas via Egito ou Qatar, com a condição de que a reconciliação palestina seja concluída primeiro. Aqui descobrimos o propósito da posição europeia ao tentar contornar a vitória da batalha da "espada de Jerusalém" sobre a ocupação e impedir a conclusão do que o Hamas e a resistência palestina alcançaram, que ganhou a honra de defender Jerusalém, e que desfrutou de um apoio esmagador dos palestinos (como referendo e eleição). Porque maximizar esse caminho popular de luta e construí-lo para restaurar os direitos nacionais é um dilema existencial para o estado de ocupação israelense, que por sua vez constitui uma base estadunidense avançada no Oriente Médio.

 

“Os europeus estão cientes da importância e do perigo de obrigar o Hamas a voltar, à praça de jogar com o time de Oslo, à praça das discrepâncias e divisões internas que constituem uma arena de atrito para os palestinos sem a ocupação que respira de alívio. ”

 

Aqui, os europeus percebem a importância e o perigo de empurrar o movimento "Hamas" para voltar, para a praça de jogar com o time de Oslo, para a praça das discrepâncias e divisões internas que constituem uma arena de atrito para os palestinos sem a ocupação, que respira um suspiro de alívio neste acorde, e a tendência de voltar a falar sobre divisão e preocupar a resistência com os detalhes e rastros de Oslo. O Hamas e as Brigadas Qassam passam de uma mão superior que impõe suas condições ao inimigo e o inimigo, a uma mão inferior que pleiteia com a satisfação do Presidente Mahmoud Abbas para concordar com este ou aquele dos municípios e ministérios sob a soberania da ocupação, o que na prática significa uma tentativa de sufocar o elefante em uma caixa de sardinha da Equipe de Oslo.

 

O Ocidente busca neutralizar a força militar do Hamas primeiro e, em seguida, mudar suas prioridades políticas nacionais, passando de uma quadratura de confronto abrangente com a ocupação para uma quadratura de reconciliação com o movimento Fatah. O que estava praticamente ausente dos binóculos e dos olhos do povo palestino, na pressa em defender Jerusalém e o bairro de Sheikh Jarrah. É a habilidade do Ocidente em dividir o divisor, exaurir os feridos e percorrer seu funeral.

 

Acho que o povo palestino, com sua longa experiência e vivências, se deu conta dos truques dos países ocidentais, e de seus múltiplos enganos em proteger o projeto sionista, ao qual o povo palestino desferiu um forte golpe com a espada de Jerusalém, uma batalha que deve ser construída sobre a sustentabilidade de uma resistência abrangente, e não para parar ou voltar para trás, depois que anunciou o povo palestino claramente deu sua confiança aos partidos políticos de resistência. Voltar significa uma traição dessa confiança e uma traição do sangue dos mártires.

 

“Aqui, o teste mais difícil para os palestinos está em como reconciliar a continuação da resistência abrangente e a luta política para reconstruir Gaza e restaurar os direitos nacionais. ”

 

A resistência foi conquistada devolvendo a questão palestina à escada das prioridades na região árabe e à escada da política internacional depois que alguns tentaram descartá-la, deixando-a para agarrar um pedaço da ocupação sionista para mordiscá-la como desejava. O que testemunhará nas próximas semanas estações políticas ocidentais e árabes, na tentativa de dissuadir os palestinos da opção de continuar a resistência diante da ocupação, chantageando-os com o arquivo da reconstrução de Gaza, que teve a honra de defender Jerusalém.

 

Aqui, o teste mais difícil para os palestinos está em como reconciliar a continuação da resistência abrangente e a luta política para reconstruir Gaza e restaurar os direitos nacionais. Pois o mundo, de acordo com a filosofia da realidade, só respeita os poderosos e vê a diplomacia apenas como uma forma de guerra.

 

Fonte: Arabe 21

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.