Sexta Feira, 22 Janeiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Os prisioneiros de Gaza sofrem com a escassez de roupas de inverno e cobertores

As autoridades de ocupação continuam a abusar dos presos palestinos de várias maneiras, e a tragédia dos presos aumenta nestes tempos, com o frio do inverno, e a falta de cobertores e roupas necessárias.

Nos detalhes, o advogado da Autoridade para Assuntos de Prisioneiros e Executivos, Karim Ajwa, disse que as autoridades de ocupação transferiram o prisioneiro ferido, Ali Amr, do Hospital Soroka israelense para a chamada clínica penitenciária de Ramla.

 

Ajwa explicou que o estado de saúde do detido ferido Amr, da cidade de Dura, distrito de Hebron, melhorou nos últimos dias, de acordo com os médicos.

 

Ele indicou que o tribunal militar em Ofer realizou uma sessão na quinta-feira para estender a detenção do prisioneiro à revelia e estendeu sua detenção por 8 dias, observando que o detido Amr foi baleado pelo exército de ocupação no início deste mês perto do campo de Al-Fawwar, ao sul de Hebron, e então ele foi transferido para o hospital e lá foi submetido a uma operação.

 

Além disso, o prisioneiro ferido, Raed Badwan (56 anos), da cidade beduína, a oeste da Jerusalém ocupada, continua em condições de saúde difíceis, pois permanece na prisão “Ofer”.

 

O clube de prisioneiros disse em nota que o prisioneiro em Dwan foi ferido em 2015 por cerca de 10 balas pelas forças de ocupação israelenses, algumas das quais foram removidas, enquanto seis balas permaneceram em seu corpo até hoje, causando fortes e difíceis dores na cabeça, peito, mãos e costas, além de ser diabético e hipertenso.

 

O clube apontou que o prisioneiro Badwan, pai de nove filhos, ficou no hospital israelense "Shaare Zedak" depois de ser ferido e preso, e mais de 50 sessões foram realizadas para ele no Tribunal Militar de Ofer, até uma sentença de 18 anos de prisão e uma multa contra ele.

 

As forças de ocupação muitas vezes prendem prisioneiros após terem ficado gravemente feridos, e ainda há muitos presos que sofrem os efeitos dessas graves lesões, apesar de anos de prisão, e entre eles estão aqueles que precisam ser submetidos a operações para remover balas de seu corpo, ou cirurgia para salvar sua vida, enquanto as autoridades de ocupação israelense continuam negligenciando sua condição.

 

Neste contexto, a Autoridade para Assuntos dos Prisioneiros pediu pressão sobre a ocupação para permitir a entrada de roupas de inverno, cobertores e sapatos para os presos da Faixa de Gaza com a entrada do inverno.

 

E depois de seu encontro com várias famílias dos prisioneiros que retornaram à sede em Gaza, a comissão alertou sobre a prevenção contínua da entrada de necessidades dos prisioneiros e a recusa da administração penitenciária em fornecer aquecimento e necessidades especiais no inverno.

 

A Cruz Vermelha Internacional exortou todas as organizações internacionais e humanitárias a começarem imediatamente a fornecer aos prisioneiros os suprimentos de inverno que os protegem do frio do inverno nas prisões e centros de detenção, e os protegem das consequências disso.

 

A comissão destacou a importância de resolver a questão das visitas e compensá-las com uma reunião por meio de "videoconferência" mediada pela Cruz Vermelha, semelhante à política de ocupação com prisioneiros na questão dos tribunais, destacando que as visitas são um direito básico e humano garantido por cartas e convenções internacionais e pelos conceitos e princípios mínimos dos direitos humanos.

 

As autoridades de ocupação decidiram impedir a visita das famílias dos presos de Gaza, com o início da chegada do vírus "Corona", mas não deram uma alternativa a essa prevenção, o que garantiria a comunicação dos presos com as suas famílias.

 

As autoridades de ocupação prendem cerca de cinco mil presos palestinos, incluindo mulheres, crianças e idosos, e entre o número total há presos que sofrem de doenças crônicas e graves, e todos eles reclamam de maus-tratos e exposição à humilhação e tortura, enquanto muitos deles não têm acesso à família e outros definem em celas de confinamento solitário.

 

Fonte: Al-Quds

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.