Segunda Feira, 28 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

PA congela projeto de resolução condenando o plano de paz pró-Israel de Trump

O Conselho de Segurança da ONU discutirá o plano de paz do presidente dos EUA, Donald Trump, no Oriente Médio na terça-feira, mas sem votar um projeto de resolução que o condene depois que a Autoridade Palestina (PA) congelou sua apresentação.

De acordo com a agência de notícias francesa AFP, a Autoridade Palestina retirou seu pedido de votação de uma proposta de resolução sobre o plano de Trump por falta de apoio entre os membros do conselho. Mas os palestinos negaram isso, dizendo que a resolução não havia sido apresentada porque sua formulação precisava ser finalizada.

Em uma ação incomum, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, abrirá a sessão do Conselho de Segurança. Ele será seguido pelo presidente palestino Mahmoud Abbas, embaixador de Israel na ONU Danny Danon, embaixador dos EUA na Kelly Craft da ONU e embaixadores de outros países membros.

O projeto de resolução original, patrocinado pela Tunísia e Indonésia e apoiado pelos palestinos, afirma que o plano dos EUA viola a lei internacional e o Conselho de Segurança exige uma solução de dois Estados com base nas fronteiras traçadas antes da guerra de 1967.

A resolução deveria ser posta em votação na terça-feira depois que Abbas se dirigisse ao conselho, mas diplomatas disseram que muitas de suas disposições não eram aceitáveis para membros europeus do conselho, que apoiam uma solução de dois estados baseada nas fronteiras anteriores a 1967, e outros membros do conselho, afirmou a AFP.

O secretário-geral do comitê executivo da OLP, Saeb Erekat, disse na segunda-feira à noite que os relatórios da retirada da resolução palestina eram falsos. Ele acrescentou que os palestinos a enviariam assim que finalizassem sua redação e tivessem certeza de que seus princípios seriam apoiados.

"Os EUA estão pressionando muito os Estados membros, inclusive os que se identificam com a posição palestina", disse ao Haaretz uma autoridade da delegação palestina da ONU. "Há uma luta difícil acontecendo nos corredores da ONU."

A agência de notícias francesa também alegou que os palestinos se abstiveram de apresentar a resolução depois que os EUA apresentaram inesperadamente emendas ao plano de Trump.

Na semana passada, o embaixador palestino na ONU, Riyad Mansour, disse que a resolução seria submetida ao conselho pela Tunísia, atual representante dos estados árabes no painel.

"Estamos embarcando em uma grande batalha diplomática e estamos cientes de que os EUA trabalharão para impedir a resolução ou vetá-la", disse ele à Radio Ashams, que transmite de Nazaré. "Mas isso não vai nos deter. Continuaremos a trabalhar em todos os canais diplomáticos para impedir o plano [de Trump]. "

Ele acrescentou que os palestinos buscam "destacar a posição palestina, que se baseia nas decisões da comunidade internacional".

O plano de Trump, produto de movimentos suspeitos de três anos do conselheiro sênior Jared Kushner e de alguns países do Golfo, reconheceria a autoridade de Israel sobre os assentamentos ilegais, Jerusalém oriental e os locais sagrados islâmicos, e exigiria que os palestinos encontrassem uma série altamente difícil de condições de permitir que um estado tenha sua capital em uma vila na Cisjordânia, no leste da cidade santa.

A resolução apoiada pela Palestina enfatiza a necessidade de uma aceleração dos esforços internacionais e regionais para iniciar negociações credíveis sobre todas as questões de status final no processo de paz no Oriente Médio, sem exceção.

Um veto dos EUA no nível do conselho permitiria que os palestinos levassem o texto preliminar à Assembleia Geral da ONU, com 193 membros, onde uma votação mostraria publicamente como o plano de paz de Trump foi recebido internacionalmente.

 

Fonte: The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.