Domingo, 27 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Palestina: 237 violações contra jornalistas durante o primeiro semestre deste ano

O período registra um aumento nos ataques israelenses contra o jornalismo sob ocupação militar e ataques para manter a mídia fora da mira dos eventos e para evitar registros de autoridades militares israelenses e para acomodar apenas a narrativa israelense.

O Centro Palestino de Desenvolvimento e Liberdades de Mídia "MADA" emitiu seu relatório para a primeira metade do atual ano de 2020 sobre as condições das liberdades de mídia na Palestina, dentro do projeto "Um passo à frente para promover a liberdade de expressão", termo usado na Palestina, financiado pela União Europeia.

 

O relatório mostrou que no primeiro semestre de 2020 houve uma diminuição no número total de violações contra as liberdades da mídia em comparação com o que foram no mesmo período do ano passado, especialmente violações pelas autoridades palestinas que diminuíram durante a primeira metade de 2020 para cerca de 41% do que eram na primeira metade de 2019.

 

O Centro "MADA" monitorou um total de 237 violações durante o primeiro semestre de 2020, 125 das quais foram cometidas pela ocupação israelense, enquanto o Facebook cometeu 64 violações e 47 violações foram cometidas por diferentes autoridades palestinas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Vale ressaltar que o primeiro semestre do ano anterior (2019) testemunhou um total de 330 violações cometidas pelas três partes mencionadas acima.

 

Os ataques a jornalistas durante o primeiro semestre de 2020 afetaram um total de 130 jornalistas, 118 homens e 12 mulheres jornalistas.

 

O relatório atribuiu o declínio geral no número de violações a três razões principais: o acentuado declínio no número de violações na Palestina, a quase paralisação total que prevaleceu nos territórios palestinos devido ao fechamento imposto como parte de medidas para combater a epidemia de Covid-19 e, finalmente, o fim do retorno pacífico às marchas em Gaza, que testemunharam ataques maciços à mídia e a jornalistas pelas forças de ocupação. Vale ressaltar que a taxa de ocorrência de violações de Israel não diminuiu, mas aumentou, se o período de fechamento devido ao Covid-19 for levado em consideração.

 

Uma comparação entre as duas metades dos anos 2019 e 2020 mostra mudanças significativas no mapa de distribuição dessas violações, em particular uma diminuição clara das violações palestinas, compensada por um aumento relativo das violações israelenses e do Facebook. O número de casos de violações registrados aumentou de 45% para 53% no primeiro semestre de 2020 enquanto as violações na Palestina diminuíram de 35 % a 20%. 

 

O relatório indica que a maioria dos ataques israelenses ocorreu na Cisjordânia, 121 ataques com um objetivo: manter a mídia fora da cena dos eventos para evitar registros de atrocidades militares israelenses e acomodar apenas a narrativa israelense. Cabe destacar que os ataques físicos a jornalistas totalizaram 38, enquanto foram registrados 47 incidentes de obstrução direta da cobertura pelas forças de ocupação.

 

Além da ocupação israelense, a empresa do Facebook continuou a cometer mais violações. "MADA" informou em seu relatório semestral que a administração do Facebook encerrou ou suspendeu contas e páginas pessoais de 64 jornalistas em relação ao seu conteúdo, sem dar explicações ou esclarecimentos.

 

O número de violações palestinos registrados nos primeiros seis meses deste ano chegou a 47, a maioria dos quais ocorreu na Faixa de Gaza (60% deles), em comparação com 40% na Cisjordânia.

 

Relatório completo: https://www.madacenter.org/en/article/1314/

 

Fonte: MADA Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.