Quinta Feira, 06 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Palestino assassinado em Jerusalém: 'Iyad era a flor da família que eles cortaram muito cedo'

A família de Iyad Al-Hallak, o palestino com autismo assassinado pela polícia israelense, descreve um homem que recentemente começou a cozinhar e estava aterrorizado com os soldados israelenses. "Eles tiraram a alegria da minha mãe e deixaram um ferimento que não vai sarar", disse sua irmã Diana Al-Hallak.

Iyad Al-Hallak esperava voltar à escola "com fôlego", disse sua irmã Diana Al-Hallak. Durante o surto de coronavírus, a escola Elwyn para crianças e adultos com necessidades especiais, onde Iyad estudou, foi fechada. Iyad, um palestino de 32 anos com autismo, chorou porque queria estudar e sua mãe teve que explicar várias vezes que a escola estava fechada. Quando ele ainda não estava convencido, sua mãe o levou lá duas vezes para mostrar, explicou Diana.

"Nossa mãe sentiu que era diferente desde muito cedo", disse Diana. “Quando entendemos que ele tinha autismo, minha mãe o amava ainda mais. Ela acredita em Deus e viu Iyad como um anjo que lhe foi enviado do céu para nos proteger.

Quando a escola reabriu Al-Hallak, ele ficou "exaltado", continuou Diana. “Lá ele aprendeu muitas coisas, como cozinhar, cuidar de si mesmo, cuidar das plantas e do meio ambiente. Eu estava voltando para casa e queria ajudar nossa mãe a cozinhar. Ela estava muito feliz porque se sentia muito útil.

“Iyad era a flor da família que eles cortaram muito cedo. Foi a nossa alegria, uma alma pura”.

Na manhã de sábado, Al-Hallak deixou sua casa no bairro de Wadi Joz, em Jerusalém Oriental, para a escola, como havia feito muitas vezes antes. Quando ele passou por um grupo de policiais de fronteira israelenses, eles suspeitaram que Al-Hallak estava carregando uma arma e ordenaram que ele parasse. Mas Al-Hallak fugiu da cena temendo por sua vida. Os policiais o perseguiram e abriram fogo. Ele teria sido encontrado ferido em um contêiner de lixo acompanhado por um dos professores de Elwyn que suplicou aos soldados. Um dos policiais teria aberto fogo de perto, matando Al-Hallak.

Al-Hallak começou a caminhar sozinho para a escola nos últimos anos. "Sua mãe estava com muito medo de deixá-lo ir. Demoramos muito tempo para convencê-la ”, disse Sami, marido de Diana. “O resultado foi que ele foi morto a tiros no caminho para a escola. Não tenho ideia de como minha sogra poderá continuar sem ele. Ele era sua alma, sua vida, a luz de seus olhos.

Diana disse que por mais de dois anos Al-Hallak tinha uma escolta que o acompanhava todos os dias na escola. A escolta ensinou-o a andar na calçada, a parar na faixa de pedestres, a atravessar a rua. Ele até o levou para a delegacia local e o apresentou aos policiais.

"Isso era prática comum", disse Diana. “Eles o fazem na escola desde que houve um incidente com outra criança em que soldados mataram um aluno depois que ele foi convidado a parar e não o fez. Ele não morreu, mas desde então a escola garantiu que a polícia conhecesse as crianças. Iyad estava com muito medo dos soldados e da polícia e, quando os via, sempre se retirava e fugia. Nossa área tem muitos soldados e policiais ".

Mesmo assim, sua mãe estava preocupada demais para deixá-lo ir sozinho à escola e estava com ele todos os dias, disse Diana. "Somente depois que ele descobriu que sabia fazer isso sozinho, ele o deixou andar sozinho."

"Foi o amor de nossa mãe a vida toda", lamenta Diana. “Ela sempre segurava a mão dele como um bebê e ele foi com ela ao mercado, à mesquita ou à loja de roupas. Ele era como a sombra dela. Ela se preocupava que outras crianças o incomodassem ou o machucassem ".

“Ele não era apenas meu irmão, era como meu filho. Tudo o que comprei para os meus filhos também comprei para ele ”.

"Não consigo parar de chorar e não sei o que minha mãe fará sem ele", disse Diana. “Eles ficaram sentados por horas no quarto brincando, comendo e rindo todos os dias. Eles o arrancaram de sua vida. Eles tiraram a alegria dela e a deixaram com grande tristeza e um coração partido. Eles a deixaram com uma ferida que nunca irá curar e irá morrer com ela.

 

Suha Arraf é diretora, roteirista e produtora. Escreva sobre sociedade árabe, cultura palestina e feminismo.

 

Fonte: Suha Arraf, Rebelion.org

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.