Terça Feira, 04 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Pela primeira vez após a cessação da coordenação de segurança. A ocupação israelense invadiu a cidade de Ramallah

Veículos militares israelenses invadiram a cidade de Ramallah, na Cisjordânia, que está sob controle de segurança palestino, na madrugada de terça-feira, na primeira vez desde que o presidente palestino Mahmoud Abbas anunciou a interrupção do trabalho sobre entendimentos e acordos com os governos israelense e americano.

"O exército israelense entrou na cidade para realizar prisões e campanhas de busca", afirmou a agência de imprensa francesa, segundo um porta-voz do Ministério do Interior da Palestina, Ghassan Nimer.

Nimr explicou que "as forças de ocupação invadiram a cidade de Ramallah e o campo de Al-Amari, que é adjacente a ela, com grande força na noite passada, para realizar prisões, e esta é a primeira vez que as forças de ocupação invadiram a cidade de Ramallah desde a conclusão dos acordos, incluindo a interrupção do trabalho em coordenação de segurança".

Por seu lado, fontes de segurança indicaram que "o exército israelense prendeu duas pessoas do norte da cidade e duas do campo de Al-Amari, bem como duas casas foram invadidas e revistadas".

O exército israelense confirmou que uma operação de prisão havia ocorrido no campo de Al-Amari, mas não deu detalhes.

Houve confrontos entre jovens palestinos e o exército israelense durante a operação de invasão do território Palestino, mas nenhum ferimento foi registrado, segundo fontes palestinas.

 

Acordos e advertências

Em Ramallah, existem todas as sedes da liderança palestina, além da casa do presidente palestino Mahmoud Abbas, que anunciou em maio passado que a Autoridade Palestina está em posição de todos os acordos e entendimentos com o lado israelense e americano, incluindo a coordenação de segurança, e no contexto da intenção de Israel de incluir partes Largo da Cisjordânia.

O acordo de Oslo - que a OLP assinou com o governo israelense em 1993 - permitiu que o lado israelense fizesse prisões de palestinos dentro dos territórios sob controle de segurança palestino, mas através da coordenação com o lado palestino, mas Abbas anunciou que estava tentando encontrar soluções para esse acordo.

O primeiro-ministro palestino, Muhammad Shtayyeh, alertou para um "verão quente" se Israel implementar seu plano de anexação.

 

Descartar documentos confidenciais

Antecipando qualquer ação israelense, os serviços de segurança palestinos destruíram documentos classificados após serem transferidos para pastas eletrônicas, antecipando incursões israelenses semelhantes às realizadas no ano de 2000 na Cisjordânia ocupada, segundo fontes de segurança divulgadas hoje.

"Recebemos ordens altas para destruir os documentos confidenciais que possuímos e implementamos essas ordens secretamente", disseram às fontes - que preferiram permanecer anônimas - à imprensa francesa.

Ela enfatizou que o processo de destruição ocorreu por medo de que o exército de ocupação israelense pudesse invadir terras palestinas sob controle de segurança das autoridades Palestina e obter esses documentos.

Uma das fontes de segurança indicou que, as informações foram transferidas para pastas eletrônicas antes de destruir os documentos originais em papel, e as pastas foram colocadas em locais secretos.

 

Fonte: Agência de imprensa Francesa

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.