Domingo, 25 Outubro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Pela primeira vez, sindicatos britânicos prometem desafiar o apartheid israelense

A Assembleia Anual do Congresso Sindical (TUC), representando cerca de 6 milhões de membros no Reino Unido, adotou uma moção reafirmando sua solidariedade com a luta do povo palestino, pelo direito à autodeterminação, condenando a ocupação e as políticas expansionistas do governo israelense.

Por Bernard Regan

 

Uma moção do Congresso Sindical britânico instando os membros a "aderirem à campanha internacional para acabar com a anexação e acabar com o apartheid" poderia encorajar os sindicatos de todo o mundo a desempenhar um papel importante no movimento internacional de solidariedade com a Palestina como fizeram contra o apartheid na África do Sul.

Em 15 de setembro, a Assembleia Anual do Congresso Sindical (TUC), que representa quase 6 milhões de membros no Reino Unido, adotou uma moção reafirmando sua solidariedade com a luta do povo palestino pela direito à autodeterminação, condenando a ocupação e as políticas expansionistas do Governo de Israel.

A resolução expressou abertamente oposição das ambições anexionistas do governo de Netanyahu, apoiado pela administração dos EUA, e pediu o fim da cumplicidade do governo britânico. Ao exigir o fim do bloqueio a Gaza e o apoio ao "direito de retorno dos refugiados palestinos", ele prometeu ao TUC "comunicar sua posição a todas as outras centrais sindicais nacionais, nas confederações sindicais europeias e internacionais e exortá-los a aderir à campanha."  Exigindo que parem com a anexação e acabar com o apartheid ”.

O que distingue a resolução é que, ao pedir o fim do "apartheid", ela identifica as práticas do Estado israelense em relação ao povo palestino como institucionalmente discriminatórias, desafiando a normalização das relações atualmente adotadas, por exemplo, pelos Emirados Árabes Unidos e pelo Bahrein, que foi promovido pela Casa Branca.

O internacionalismo tem uma longa tradição no movimento sindical britânico. Na década de 1860, operários fabris na área de Manchester se recusaram a trabalhar com mão de obra escrava usada em plantações de algodão importado dos estados do sul, dos Estados Unidos, apesar das dificuldades sofridas por suas famílias. como consequência. Voluntários, muitos dos movimentos sindicais, lutaram na Guerra Civil Espanhola contra os fascistas. Na década de 1960, os sindicalistas foram os primeiros a responder ao apelo do Congresso Nacional Africano para boicotar a África do Sul. É essa tradição que se reflete na solidariedade expressa ao povo palestino.

Quando implementada, a decisão do TUC pode dar uma contribuição significativa para a construção do movimento de solidariedade internacional e encorajar os sindicatos de todo o mundo a desempenhar um papel importante na campanha, assim como fizeram na campanha contra o apartheid na África do Sul.

O engajamento do TUC foi o produto do trabalho de apoiadores da Campanha de Solidariedade à Palestina, e de sindicalistas ao longo de muitas décadas. A importância dos sindicatos foi reconhecida por seu potencial para atrair milhões de pessoas para a campanha por justiça para os palestinos. Além disso, os sindicatos são importantes porque alguns são filiados ao Partido Trabalhista e, portanto, podem dar uma contribuição vital para garantir que a voz dos palestinos e de seus apoiadores não seja silenciada por apologistas pró-Netanyahu dentro do próprio Partido.

Por mais de três décadas, esse trabalho resultou na mudança da Palestina como uma preocupação de uma pequena minoria para uma causa com apoio esmagador nos sindicatos. Embora tenha havido progresso em um pequeno número de sindicatos no início da década de 1990, o apoio da maioria dos sindicatos foi consolidado com a adoção de uma moção em 2006 que definiu a agenda política para os anos seguintes.

 

A moção, apresentada pelo Sindicato dos Bombeiros, expressou seu apoio a:

O direito do povo palestino à autodeterminação.

O direito dos refugiados palestinos de retornar à sua terra natal.

A retirada das tropas israelenses de todos os territórios ocupados.

A remoção do "muro do apartheid" construído ilegalmente.

Desde o início, o TUC encorajou todos os seus sindicatos a aderirem à Campanha de Solidariedade à Palestina (PSC) e desde aquela data houve inúmeras reuniões de ramos sindicais que ouviram oradores palestinos e delegações britânicas que retornavam discutindo a situação do povo palestino. Centenas, senão milhares, de sindicalistas visitaram a Palestina histórica, reunindo-se com  os trabalhadores, comunidades e ativistas para estar mais bem informados sobre os problemas resultantes das ações brutais do Estado israelense e de seu exército. Essas viagens incluíram encontros com uma ampla gama de ativistas palestinos e visitas a muitos campos de refugiados, centros culturais, escolas, universidades, pessoas que enfrentam demolições de casas, crianças prisioneiras, membros de comunidades beduínas e ativistas palestinos em Israel.

Este importante grupo, trazendo seu próprio conhecimento da situação em primeira mão, tornou-se um defensor efetivo da causa Palestina e um mobilizador das ações iniciadas pelo PSC. Sempre que possível, eles tentaram transformar essa solidariedade política em ações práticas de apoio humanitário.

Os sindicatos têm estado centralmente envolvidos na campanha contra todas as formas de racismo, incluindo a islamofobia, e no apoio às mobilizações em torno da questão da vida negra. Ao mesmo tempo, aqueles que apóiam os palestinos entendem que não há contradição entre a oposição militante ao anti-semitismo e, ao mesmo tempo, manter uma posição de apoio intransigente aos direitos dos palestinos oprimidos.

O desafio agora é continuar desenvolvendo este trabalho, pedindo ao Partido Trabalhista que apóie esta campanha e exigindo que o governo britânico termine sua cumplicidade com a opressão do governo israelense ao povo palestino e rejeite a intervenção do presidente Trump ou de qualquer administração futura vindo dos norte-americanos para frustrar o direito do povo palestino à autodeterminação.

Fonte: Rebelion.org

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.