Segunda Feira, 15 Agosto 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Prisioneiro Ahmed Manasra: a ocupação israelense classifica caso como um “ato terrorista” interrompendo as demandas palestinas de libertação antecipada

O Comitê de Libertação Especial da Autoridade de Prisões da Ocupação Israelense emitiu sua decisão hoje para classificar o arquivo do prisioneiro de Jerusalém Ahmed Manasra sob a “Lei do Terrorismo”

O Comitê de Libertação Especial da Autoridade de Prisões da Ocupação Israelense emitiu sua decisão hoje para classificar o arquivo do prisioneiro de Jerusalém Ahmed Manasra sob a “Lei do Terrorismo”. Decidiu que o caso do preso Manasra é um “ato terrorista”, de acordo com a definição da “Lei Antiterrorismo”, de acordo com o que a equipe de defesa de Manasra afirmou na quarta-feira, 22.

O advogado Khaled Al-Zabarqa, da equipe de defesa do prisioneiro Manasra, disse em um breve comunicado que “esta decisão é legal e constitucionalmente errada, e é uma clara violação dos fundamentos legais e constitucionais do sistema jurídico local e internacional, especialmente nas leis relacionadas a crianças/menores.”

A equipe de defesa do preso Manasra, que está cumprindo uma pena real de 12 anos de prisão, acrescentou: “Depois, emitiremos uma declaração detalhando os motivos da decisão e também entraremos com recurso contra essa decisão ilegal”.

Essa decisão impede a possibilidade de transferir o arquivo de Ahmed para o comitê de liberação antecipada, mas, ao mesmo tempo, a equipe de defesa ainda tem a oportunidade de recorrer da decisão.

A equipe de defesa considerou as autoridades de ocupação israelenses totalmente responsáveis ​​por qualquer comprometimento da segurança e saúde de Manasra.

Vale ressaltar que Manasra foi submetido a intimidações severas e apareceu em uma gravação de vídeo durante seu interrogatório quando criança, com apenas 13 anos. Mais tarde, Ahmed foi transferido para a prisão de Megiddo depois de completar 14 anos.

Manasra enfrenta condições físicas e psicológicas difíceis e perigosas em confinamento solitário na prisão de Eshel em Beersheba.

As forças de ocupação prenderam o menino Manasra em 12 de outubro de 2015, e ele foi condenado a 12 anos de prisão na época. Antes de transferi-lo para a prisão, as autoridades de ocupação o detiveram em condições extremas por dois anos em uma instituição especial para menores.

O tribunal de ocupação condenou Manasra em 2016 por realizar uma operação no assentamento “Psgat Ze’ev” em 2015 com seu primo, o mártir Hassan Manasra. Nesse dia, os soldados da ocupação atiraram em Ahmed e Hassan (13 anos) e Hassan foi morto no local.

Preso Manasra nasceu em 22 de janeiro de 2002, em Jerusalém. Ele é um de uma família de dez. Ele tem dois irmãos e é o filho mais velho da família, além de cinco irmãs.

Antes de sua prisão em 2015, ele era aluno da Escola 'Aljeal Aljaded' em Jerusalém, na oitava série, tinha 13 anos na época.

Devido à violência, isolamento e opressão, Manasra foi submetido a condições terríveis: foi brutalmente espancado por uma multidão israelense e atropelado por um veículo israelense depois dos problemas que testemunhou nas prisões israelenses.

Manasra vem sofrendo sérios problemas de saúde mental que trouxeram preocupação real à sua equipe psicológica e instou sua equipe jurídica a apresentar um pedido urgente à prisão israelense.

Ahmad foi diagnosticado com esquizofrenia, sofre de delírios psicóticos e está gravemente deprimido com pensamentos suicidas. Na quarta-feira, 15 de junho, ele foi transferido para o hospital da prisão de Ramleh, no centro de Israel, devido à deterioração de seu estado mental, segundo a Anistia Internacional.

A equipe enfatizou que o jovem – que foi detido ilegalmente quando menor – necessita de diagnóstico profissional, tratamento com medicamentos adequados e o fim de seu isolamento solitário.

Afirmou que considerava a ocupação israelense responsável pela “deterioração da condição fisiológica de Ahmad em particular e sua saúde em geral”.

Depois disso, “uma desconsideração da condição de saúde de Ahmad pode levar a um sério revés psicológico”.

Manasra foi detido ilegalmente por sete anos pela ocupação israelense em circunstâncias horríveis e atualmente sofre de sérios problemas de saúde mental. Ele foi preso com apenas 13 anos e interrogado violentamente sem a presença de um advogado ou de seus pais.

Ele foi condenado a 12 anos de prisão – mais tarde reduzido para nove – pela tentativa de assassinato de um rapaz de 20 anos e de um menino de 12 anos em um assentamento judaico ilegal em Jerusalém Oriental ocupada, apesar de ele não aceitar parte no ataque.

No momento de sua prisão e enquanto ele tinha apenas 13 anos, a lei israelense afirmava que crianças menores de 14 anos não podiam ser responsabilizadas criminalmente, apesar de ele ter sido ilegalmente condenado por um crime que ele nem cometeu.

No mês passado, o Serviço Prisional de Israel (IPS) apresentou um pedido ao Tribunal Distrital de Beersheba solicitando a extensão de seu confinamento solitário, no qual ele está desde o início de novembro de 2021, prolongando e piorando ainda mais seu sofrimento nas prisões israelenses.

 

Fonte: https://daysofpalestine.ps/prisoner-ahmed-manasra-the-israeli-occupation-classifies-his-case-as-a-terrorist-act-halting-palestinian-demands-of-early-release/

  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.