Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Quando o assassinato é permitido: os "assassinatos direcionados" de Israel

Uma das anomalias do sionismo político é que, embora tenha sido fundada como resposta a assassinatos contra judeus europeus e russos como um meio de resgatá-los da forma como estavam vivendo, tendo um porto seguro para onde ir, os pais fundadores do Estado de Israel e seus sucessores não tiveram escrúpulos em infligir sofrimento e sofrimento terríveis a outros, a fim de alcançar seus objetivos. O objetivo declarado de garantir que o último acontecimento como o Holocausto, por exemplo, "nunca mais" aconteça com judeus, significou que "de novo e de novo" é a regra com relação às violações de Israel contra os palestinos e qualquer outra pessoa considerada seja um inimigo.

No estabelecimento de um estado especificamente para pessoas de uma determinada raça, há quem argumente que o sionismo é uma ideologia racista. Esse argumento garantiu que, em novembro de 1975, a Resolução 3379 da Assembleia Geral da ONU determinasse que o sionismo é "uma forma de racismo e discriminação racial", embora sob pressão dos EUA imposta pelo presidente George HW Bush, foi revogado em 1991. No entanto, a noção de O “povo escolhido de Deus”, que trata os que são considerados mortais menores, os palestinos árabes, de maneira tão abominável dia após dia por mais de 70 anos, permanece a política do governo em Israel. Essa é a realidade.

O estado tem como alvo qualquer pessoa que se imponha em ocupar o máximo possível da Palestina histórica com o menor número possível de palestinos em terra; "Grande Israel" é o resultado desejado. Matar palestinos e outros não-judeus geralmente não é uma decisão ética, mas tomada de acordo com os benefícios que ela oferece a Israel. Cientistas, líderes comunitários, líderes religiosos ou simplesmente quem quer que esteja na frente deles podem ser e são frequentemente um alvo, independentemente de raça, religião, cidadania, gênero ou idade.

Tais assassinatos não são atos de assassinos desonestos. Eles são endossados pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que o torna cúmplice direto em todos esses crimes. No caso de Israel, portanto, o terrorismo não é um ator individual ou não estatal modus operandi; chegou a definir o próprio estado.

"Operações" assassinas foram endossadas por sucessivos primeiros ministros de Israel, visando não apenas palestinos, mas também muitas outras nacionalidades. Israel raramente reconhece sua responsabilidade por qualquer um deles, mesmo quando eles não atingem o alvo. De fato, Israel cometeu milhares de crimes ao longo dos anos, incluindo alegados crimes de guerra, crimes contra a humanidade, limpeza étnica e assassinatos em massa. Apesar disso, não foi levado em consideração; age com impunidade, tratando as leis e convenções internacionais com desprezo, seguro com o conhecimento de que seus amigos do Ocidente têm suas costas protegidas, especialmente os EUA e seu veto no Conselho de Segurança da ONU. A Grã-Bretanha é um país onde os políticos pró-Israel mudaram os procedimentos de sua lei de jurisdição universal, a fim de proteger suspeitos de crimes de guerra israelenses da acusação.

A ex-ministra das Relações Exteriores teve que cancelar sua visita à Grã-Bretanha porque mandados de prisão foram preparados devido aos crimes de Israel cometidos na Faixa de Gaza. Ao ouvir a notícia, Livni comentou: “O mundo livre deve diferenciar entre criminosos de guerra reais que devem ser levados à justiça e aqueles que combatem o terrorismo contra civis, incluindo os oficiais e soldados das [Forças de Defesa de Israel].” O governo britânico devidamente mudou a lei.

Ajudar essas pessoas a escapar da acusação também torna aqueles que os protegem cúmplices de seus crimes. Saber que eles podem agir com impunidade encoraja os políticos israelenses a irem mais longe com suas políticas e práticas ilegais.

O nível de hipocrisia e padrões duplos é notável em Israel. Embora a pena de morte não esteja mais disponível para os tribunais, os assassinatos extrajudiciais são mais comuns lá do que quase todos os outros países do mundo. É assim que Israel entende direito e democracia, apesar de reivindicar ser "a única democracia no Oriente Médio".

Essa psique tem prevalecido entre os líderes israelenses desde antes da fundação do Estado em terras palestinas, em 1948. Membros e líderes dos grupos terroristas Irgun e Stern Gang tornaram-se os principais políticos em Israel, incluindo primeiros ministros. Apenas algumas semanas atrás, Ehud Barak - o primeiro ministro de Israel de 1999 a 2001 e o soldado mais condecorado da história do estado - declarou sem vergonha que ordenou a morte de 300 palestinos em questão de 3 minutos. Ironicamente, esse homem era o líder do Partido Trabalhista, que geralmente é considerado um partido da esquerda. Isso demonstra até que ponto a política israelense correta mudou.

Barak, no entanto, não era menos desumano do que outros líderes trabalhistas. O falecido Shimon Peres, por exemplo, é lembrado no mundo árabe não como um ganhador do Nobel da Paz, mas como o arquiteto de um massacre de civis libaneses. Em 18 de abril de 1996, 800 civis libaneses se refugiaram na brutal "Operação Uvas da Ira" de Israel em um complexo de forças de paz da ONU na vila de Qana. Tropas israelenses dispararam balas de artilharia contra o complexo deliberadamente, matando 106 pessoas e ferindo 116 outras.

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU em 29 de setembro, o Dr. Mahathir bin Mohamad, veterano Primeiro Ministro da Malásia, lançou luz sobre uma contradição irônica na conduta e no pensamento humano: todos sabemos, disse ele, que “as guerras incentivam e legitimam a matança. De fato, os assassinatos são considerados nobres e os assassinos aclamados como heróis. Eles recebem medalhas grudadas no peito e estátuas erguidas em suas homenagens, têm seus nomes mencionados nos livros de história. Há algo errado com nossa maneira de pensar, com nosso sistema de valores. Mate um homem, é assassinato; mate um milhão e você se tornará um herói. "

Isso resume a política de "assassinatos direcionados" de Israel; é assassinato por qualquer outro nome. A complacência ocidental e o terrorismo israelense tornam essa matança permitida. Definitivamente, existe “algo errado com a nossa maneira de pensar” quando essa é a realidade do mundo hoje.

 

Fonte: Dr Mohammad Makram Balawi, Middle East Monitor

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.