Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Povo Palestino

Quando o esporte ilumina o futuro das mulheres em Gaza

Ser uma mulher refugiada em Gaza e com sonhos de alcançar algum objetivo esportivo não é fácil. O esporte parece ser a melhor saída para evitar os problemas psicológicos causados pela vida de 13 anos no bloqueio israelense por terra, mar e ar.

Apesar dos obstáculos, Rahma Mu'ammar mantém seu sonho firme: ele quer montar um centro esportivo feminino na Faixa de Gaza. Por mais simples que possa parecer, não é um sonho banal ou sem sentido. Ele sonha com a ideia motivadora de incentivar as mulheres em sua comunidade a praticar algum esporte.

A professora de Rahma, Fatma Qasha, foi sua fonte de inspiração. Ela é professora em nossa escola em Fukhari, em Khan Younis, ao sul da Faixa de Gaza, e foi a primeira a convidar Rahma para se juntar ao time de esportes da escola depois de perceber alguma hiperatividade nela.

“Eu percebi que Rahma é hiperativo e tem uma energia que confunde as outras garotas. Eu pensei que o esporte poderia ser uma maneira de usar sua energia de uma maneira positiva e que permitiria alcançar a auto realização ”, diz Rahma.

 

O esporte como rota de fuga

Em Gaza, o esporte é uma rota de fuga. Quase treze anos de bloqueio israelense abalam a população, desesperados e frustrados. Um garoto ou menina de 10 anos de Gaza só conhece a Faixa de Gaza como a maior prisão a céu aberto do mundo. Isso faz com que o esporte também sirva como um meio saudável de apoiar o bem-estar psicossocial das crianças que frequentam nossas escolas.

Como Qasha explica: “Acho que esporte e exercício podem ser uma boa terapia para estudantes que enfrentam dificuldades em expressar suas ideias ou para aqueles que reagem violentamente. O esporte não é apenas importante para a saúde física, mas, ao reduzir o estresse, pode ajudar as crianças a tomar melhores decisões. ”

Rahma não esquece o impacto que o esporte teve em sua vida: “Quando o professor Qasha me pediu para ingressar no time de esportes da escola, senti-me muito empolgado e motivado, apesar de não ter certeza de que tinha habilidade para isso. Joguei pela primeira vez como goleiro do time de futebol da escola e, quando o projeto terminou, entrei para o time de pingue-pongue da escola. Ganhei o campeonato da faculdade e fui promovido a jogar pelo município de Khan Younis e tive a honra de ser o primeiro. ”

Para Rahma, as vantagens da prática esportiva vão além dos benefícios terapêuticos. "Não apenas treino, mas tento eliminar os estereótipos prevalecentes sobre as mulheres no esporte, conscientizando a comunidade sobre a importância do esporte para todos".

Qasha foi o exemplo que despertou o sonho de Rahma de estabelecer um centro esportivo feminino em Gaza. “Moro em uma comunidade que considera o esporte um luxo. As meninas não têm permissão para pensar sobre isso. A escola me deu a oportunidade de apreciar minhas realizações e me expressar. Graças a Qasha, sinto-me habilitada a convencer minha comunidade e incentivar as mulheres a praticar esportes e se exercitar. ”

A experiência de Rahma com o esporte o levou a um futuro: "Depois de ingressar na equipe de esportes da escola, fiquei muito claro sobre o que queria fazer no futuro: criar um centro esportivo para mulheres no meu bairro".

 

Fonte: UNRWA - Notícias sobre refugiados da Palestina

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.