Segunda Feira, 18 Março 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Questões práticas podem inviabilizar mudança de embaixada em Israel, diz ministro Santos Cruz

Entre a ideia e a realidade, você tem uma distância bastante longa, afirmou general à BBC News Brasil

Apesar das promessas do presidente Jair Bolsonaro a grupos evangélicos e ao governo israelense de transferir a embaixada brasileira no país de Tel Aviv para Jerusalém, a viabilidade da medida é vista com ressalvas dentro do Palácio do Planalto. À BBC News Brasil, o ministro da Secretaria de Governo, general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz, disse que possíveis consequências práticas dessa decisão podem impedir a transferência.

Lideranças evangélicas querem que a mudança da embaixada seja concretizada até abril, mês em que se celebra a criação do Estado de Israel em 1948. Questionado se considerava isso possível, Santos Cruz disse que seria inviável.

"Olha, eu não vou falar nem pelo Bolsonaro, nem pelo Ernesto (Araújo, ministro das Relações Exteriores), mas eu acho que eles (evangélicos) vão ficar na esperança. Porque uma coisa é você dizer que tem intenção, outra coisa é você concretizar. Para sair de uma ideia para a vida real, você tem uma série de outras considerações de ordem prática. Então, eu acho completamente inviável essa conexão", afirmou o general, um dos ministros mais próximos de Bolsonaro.

Analistas internacionais acreditam que a transferência da embaixada pode levar a retaliações comerciais de países arábes contra o Brasil e criará risco de ataques extremistas às embaixadas brasileiras no exterior.

"São coisas que seriam levantadas, consideradas, na avaliação da concretização da ideia (de mudar a embaixada). Tudo tudo isso pode até inviabilizar (a transferência). Então, eu acho que o pessoal tem que ter um pouco mais de calma. Entre a ideia e a realidade, você tem uma distância bastante longa", respondeu também Santos Cruz ao ser questionado sobre esses riscos.

 

Aproximação com Netanyahu

Bolsonaro, porém, já indicou ter tomado a decisão de transferir a embaixada. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que visitou o Brasil no fim de dezembro e prestigiou a posse presidencial na terça-feira, disse que o novo mandatário brasileiro confirmou a mudança da representação diplomática brasileira para Jerusalém.

Em entrevista ao canal SBT na noite de quinta-feira, Bolsonaro minimizou o risco de retaliações dos países árabes, que são grandes importadores de carne brasileira, e confirmou que fará a mudança da embaixada.

"Como disse o primeiro-ministro israelense (Benjamin Netanyahu), a decisão está tomada, está faltando apenas definir quando é que ela será implementada", afirmou. "Grande parte do mundo árabe está alinhado ou se alinhando aos Estados Unidos. Essa questão da Palestina já está saturando o pessoal do mundo árabe em grande parte", disse também.

À BBC News Brasil, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), uma das principais lideranças evangélica no Congresso, disse que a transferência da embaixada é agenda prioritária para evangélicos. Se a mudança não se concretizar até abril, ele promete pressão política e mobilização popular.

"Para nós evangélicos, a nossa motivação é (mais) um princípio de fé, do que de questões políticas. Para nós, que acreditamos de verdade na Bíblia, quem abençoar Israel será abençoado nas mesmas bençãos", explicou.

 

Neutralidade histórica brasileira

Historicamente, o Brasil mantém uma posição neutra em relação ao conflito entre Israel e a Palestina. Mas já durante a campanha e a transição, Bolsonaro defendia um maior alinhamento a Israel, inclusive propondo mudar a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

A mudança da embaixada para Jerusalém também era uma bandeira de Donald Trump quando ele concorria à Presidência dos EUA - e que acabou concretizada após sua posse.

Os EUA se tornaram o primeiro país a transferir a embaixada para Jerusalém. A maioria das nações mantém suas missões em Tel Aviv até que negociações de paz encerrem as disputas entre israelenses e palestinos por Jerusalém.

O governo israelense reivindica a cidade como sua capital indivisível, mas os palestinos pleiteiam Jerusalém Oriental como capital de seu futuro Estado.

Países árabes demonstraram descontentamento diante da possibilidade de Bolsonaro seguir os passos de Trump, e o Egito chegou a cancelar um evento diplomático com o Brasil. O país é líder na exportação de carne halal no mundo, comprada e consumida por países muçulmanos.

 

Fonte: Noticias UOL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.