Sexta Feira, 19 Abril 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

[RELATÓRIO] Os ataques indiscriminados e desproporcionais de Israel a civis palestinos violam a lei humanitária internacional e indicam crimes de guerra

Confira a lista de crimes de guerra e de crimes contra a Humanidade cometidos por Israel apenas no fim de semana passado, segundo a Organização de Direitos Humanos Al-Haq.

Os ataques indiscriminados e desproporcionais de Israel a civis palestinos violam a lei humanitária internacional e indicam crimes de guerra


(Período do relatório: de 6 a 7 de agosto de 2022)

Data: 8 de agosto de 2022

Por Al-Haq.

 

Desde que Israel lançou sua ofensiva militar na Faixa de Gaza na sexta-feira, 5 de agosto, Al-Haq identificou um padrão de ataques contra bens civis, o que indica uma violação do princípio da distinção e viola claramente o princípio da proporcionalidade nos ataques. Tais ataques podem equivaler a crimes de guerra, e um ataque generalizado e sistemático contra a população civil equivale a crimes contra a humanidade. Al-Haq está extremamente preocupado com o número alarmante de baixas, incluindo a morte de 47 palestinos, dessas dezesseis crianças e quatro mulheres, e os ferimentos de pelo menos 360 palestinos na Faixa de Gaza.[1]


1. Violação do Princípio da Distinção

 

Nas últimas 48 horas, as investigações preliminares do pesquisador de campo da Al-Haq revelaram padrões de ataques que ilustram onde as Forças de Ocupação de Israel (IOF) bombardearam, dispararam e usaram drones armados contra objetos civis, principalmente casas de civis, mas também visando uma universidade, e um jipe ​​civil cercado por uma festa de casamento, o que ilustra uma clara violação de regras invioláveis ​​das leis de conflito armado como o princípio da distinção. De particular preocupação é o ataque diretamente contra civis e áreas residenciais densamente povoadas por drones armados israelenses. A linha do tempo mostra um direcionamento de fogo contínuo contra propriedades civis em intervalos curtos: em média, um ataque por hora durante o período de 48 horas.

a) Na sexta-feira, às 16h15, Ala' Qadum, 5 e Yousef Qadum, 24 foram mortos em um ataque aéreo em Shujaiya, a leste da Faixa de Gaza.

b) Cinco minutos depois, às 16h20, um projétil disparado pela artilharia israelense atingiu e matou Dunian Ala’mour, 24, enquanto ela estava em sua casa.

c) Na sexta-feira, 5 de agosto, aproximadamente às 23h30, um obus caiu sobre a casa de Fuad Ghazi Abdullah Farajallah, 46, localizada no Bloco 9 do campo de refugiados de Jabalia, que consistia em um chão de terra batida e telhado de amianto. Farajallah, sua esposa e três de seus filhos sofreram ferimentos moderados a leves, e a casa foi parcialmente danificada.

d) Também na província de Gaza, no mesmo horário, aproximadamente às 11h10, aviões de guerra israelenses bombardearam a casa de Ibrahim Hamdan Omran Shamlakh, 45, localizada no bairro Sheikh Ajlin, a sudoeste da cidade de Gaza. A casa era habitada por três famílias, totalizando cerca de 41 pessoas. O bombardeio resultou na destruição completa da casa e danos graves nas casas vizinhas.

e) No dia seguinte, sábado, 6 de agosto, aproximadamente às 11h10, aviões de guerra israelenses bombardearam uma casa desabitada na cidade de Bani Suhaila, a leste de Khan Yunis, de propriedade de Al-Abed Mansour Al-Buraim. O bombardeio resultou na destruição completa da casa e feriu uma criança de 10 anos que estava nas proximidades.

f) No mesmo dia, aproximadamente às 12h15, um projétil caiu no telhado do prédio da Universidade Aberta Al-Quds. A universidade está localizada no norte da Faixa de Gaza, na cidade de Beit Lahia, bairro educacional. O bombardeio causou um buraco no telhado do prédio, danificando as salas de aula.

g) Aproximadamente ao meio-dia de sábado, 6 de agosto, aviões de guerra da IOF atingiram com três mísseis uma casa residencial de três andares, de propriedade dos filhos do falecido Muhammad Muhammad Abd Khalifa. A propriedade continha quatro apartamentos, habitados por três famílias, totalizando 12 pessoas. Está localizado na rua Abu Hasira, no campo de refugiados de Al-Shati, a oeste da cidade de Gaza. O bombardeio causou a destruição completa da casa e danos materiais em várias casas vizinhas. Cinco pessoas ficaram feridas no ataque, três das quais eram crianças, que foram recebidas para tratamento no Hospital Al-Shifa nas proximidades.

h) No sábado, 6 de agosto, por volta das 13h35, aviões de guerra das Forças de Ocupação de Israel (IOF) atacaram civis enquanto se reuniam em torno de um jipe ​​civil de propriedade de Mohammed Mahmoud Abu Qaeda, perto da passagem de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza. A família preparava-se para a cerimónia de casamento que se realizaria nesse dia, e reuniram-se para transportar a noiva do seu filho Akram para a sua futura casa conjugal, temendo que o agravamento da situação pudesse resultar no cancelamento do casamento. A Sra. Naama Talba Hammad Abu Qaeda, 60 anos, mãe do noivo, foi morta no ataque e cinco crianças ficaram feridas.

i) Também no sábado, aproximadamente às 15h55, a IOF bombardeou uma aglomeração de civis, em frente à casa de Hussein Ali Al-Zwaidi, localizada na área de Burat Jamil, a nordeste de Beit Hanoun. Seu filho Nour El-Din Hussein Ali Al-Zwaidi, de 18 anos, foi ferido no ataque por estilhaços em diferentes partes do corpo e foi hospitalizado em terapia intensiva. Ibrahim Shehda Salah Abu Salah, 42, também ficou ferido e o bombardeio causou danos à casa.

j) No dia seguinte, no domingo, aproximadamente às 4h45, aviões de guerra da IOF bombardearam, com um míssil, um terreno ao lado da casa de Harb Hassan Abu Thabet, 72, na cidade de Al-Nasr, a nordeste de Rafah, no sul da Faixa de Gaza. O bombardeio e a dispersão de estilhaços de mísseis resultaram em danos à casa de Thabet e casas vizinhas, além de ferir 10 civis, incluindo três crianças e duas mulheres, que foram transferidos para o Hospital Abu Yousef Al-Najjar em Rafah.Também no domingo, aproximadamente às 5h15, aviões de guerra israelenses bombardearam, com dois mísseis, uma casa desabitada, no bairro Al-Tanour, a leste de Rafah, pertencente ao civil Muhammad Musa Abu Arad, 37. O bombardeio resultou na destruição total da casa.

k) Durante o período do relatório, Al-Haq documentou mais quatro ataques de drones armados, ocorrendo por mais de uma hora entre 15h30 e 16h30 no sábado, 6 de agosto. Três dos ataques de drones dispararam mísseis contra casas civis na casa de Abdullah Abu Harbid na área de Nazaza, na casa de Nasal Sehwil localizada na rua Zimmo e na casa de Ayman al-Basiouni na rua al-Sikka, na área de Beit Hanoun. Além disso, três mísseis foram disparados contra a propriedade civil de Ibrahim Nasser na rua Al-Bura, o que também indica uma violação do princípio da distinção. Duas horas depois, aproximadamente às 18h30, um drone israelense atacou um grupo de civis nas proximidades da rotatória de Abu Sharekh em Jabalia, ferindo três civis, incluindo uma criança. Os civis foram transportados para o Hospital Indonésio, com ferimentos moderados.

 

Os incidentes acima mencionados revelam um padrão generalizado e sistemático de ataques contra civis e bens civis em violação do princípio humanitário internacional cardial da distinção.[2] Esta regra obriga as partes em conflito a distinguir entre civis e combatentes e bens civis e objetivos militares e direcionar seu ataque apenas contra combatentes e objetivos militares. O princípio da distinção reflete o direito internacional consuetudinário e, portanto, é aplicável à conduta das hostilidades de Israel.[3] Deriva desse princípio a costumeira proibição de ataques destinados a espalhar o terror entre a população civil. Notavelmente, bombardeios indiscriminados e generalizados foram considerados atos que aterrorizam civis pela Assembléia Geral da ONU, juntamente com o bombardeio regular de cidades.[4] Dado o intenso e frequente bombardeio e disparos contra áreas residenciais civis palestinas por parte de Israel, tais atos podem equivaler a atos de violência proibida, destinados a aterrorizar a população civil. Notavelmente, os Artigos 8(2)(b)(i) e 8(2)(b)(ii) proíbem, como crimes sob a jurisdição do Tribunal Penal Internacional, atos incluindo “dirigir intencionalmente ataques contra a população civil como tal ou contra civis individuais que não participam diretamente das hostilidades” e “dirigir intencionalmente ataques contra bens civis, ou seja, objetos que não são objetivos militares”.[5]

 

2. Violação do Princípio da Proporcionalidade

 

Durante o período do relatório, Al-Haq documentou um ataque em uma área residencial densamente povoada que pode ser considerada excessiva em relação à vantagem militar esperada.

Em 6 de agosto, aproximadamente às 21h30, a IOF realizou um ataque contra um comandante militar de Saraya Al-Quds, ala militar da Jihad Islâmica, Khaled Mansour. A IOF alvejou várias casas no bairro de Al-Sha`out, na cidade de Rafah, onde os aviões de guerra da IOF lançaram vários mísseis sem aviso prévio. Estes ataques visavam uma casa de concreto de três andares, pertencente a Hussein al-Mudallal, e outras casas próximas no bairro Al-Sha`out do campo de refugiados de Rafah, uma área residencial densamente povoada, a oeste de Rafah, no sul da Faixa de Gaza. Isso resultou na destruição total de oito casas e na morte de três combatentes das Brigadas Al Quds e sete civis, incluindo uma criança e duas mulheres, e o ferimento de 35 civis, incluindo 18 crianças e 12 mulheres, além dos danos parciais de várias outras casas. Os mortos e feridos foram transferidos para o Hospital Abu Yousef em Rafah e para o Hospital Europeu de Gaza em Khan Yunis.

Al-Haq adverte que tais ataques direcionados a comandantes militares em áreas densamente povoadas com a fácil previsibilidade de altas baixas civis podem violar o princípio da proporcionalidade consagrado no Artigo 51(5)(b) do Protocolo Adicional 1 (1977). Este último exige que as partes de um conflito armado empreguem meios e métodos de guerra que não causem danos excessivos às vidas civis ou bens civis em relação à vantagem militar esperada.[6] A violação de tal regra também equivale a um crime de guerra dentro da jurisdição do Tribunal Penal Internacional, que criminaliza atos de “lançar intencionalmente um ataque com o conhecimento de que tal ataque causará perda acidental de vidas ou ferimentos a civis ou danos a bens civis … o que seria claramente excessivo em relação à vantagem militar geral concreta e direta prevista”, quando realizada no contexto de um conflito armado internacional.

 

3. Falha em fornecer precauções em ataques

 

Durante todo o período do relatório, e em um afastamento acentuado das hostilidades anteriores, nos incidentes documentados, Israel não emitiu avisos prévios de seus ataques [para civis], apesar de este ser um requisito fundamental tanto no Artigo 2(3) da Convenção de Haia de 1907 (IX) quanto no Artigo 57(1) do Protocolo Adicional I, que são obrigatórios para Israel como direito internacional consuetudinário.

Aqueles que estão planejando um ataque devem, quando “viável”, tomar precauções no ataque e devem cancelar um ataque que possa causar danos civis excessivos. Nesse sentido, o Artigo 57(2)(b) do Protocolo Adicional I de 1977 estabelece que, com relação aos ataques, as seguintes precauções devem ser tomadas: “Um ataque deve ser cancelado ou suspenso se ficar evidente que o objetivo não é um alvo militar ou sujeito a proteção especial ou que o ataque possa causar perda acidental de vidas civis, ferimentos a civis, danos a bens civis ou uma combinação destes, o que seria excessivo em relação à vantagem militar concreta e direta prevista ”.

 

4. Ataques desproporcionais a terras agrícolas


Al-Haq registrou ataques a terras agrícolas, resultando no ferimento colateral de várias mulheres e crianças nas proximidades. Cinco civis ficaram feridos quando Israel realizou ataques em terras agrícolas em Khan Younis e nas províncias centrais de Gaza.

Em 6 de agosto, aproximadamente às 17h30, aviões de guerra israelenses bombardearam, com dois mísseis, terras vazias ao norte do campo de Al-Nuseirat na província central, onde uma mulher sofreu ferimentos leves e contusões, e várias casas de civis foram danificadas. Na nova cidade de Abasan, a leste de Khan Yunis, por volta das 18h do dia 6 de agosto, uma criança Nayef Khaled Al-Owaidat, 10, foi ferida com uma pedrada na cabeça e foi transferida para a Faixa de Gaza europeia. Hospital, com ferimentos moderados, depois que Israel atacou terras agrícolas próximas. Dez minutos depois, uma mulher em Abasan, a leste de Khan Yunis, ficou moderadamente ferida e foi transferida para o Hospital Europeu de Gaza, enquanto Israel continuava bombardeando terras agrícolas. No domingo, 7 de agosto, mais dois civis ficaram feridos quando aviões de guerra da IOF bombardearam terras agrícolas a leste da cidade de Qarara, a leste de Khan Yunis. Eles foram transferidos para o Hospital Médico Nasser, a oeste de Khan Yunis, e seus ferimentos foram descritos como moderados.

Os casos acima não apenas ilustram a continuação de ataques desproporcionais de Israel, resultando em vítimas civis excessivas, mas também ilustram os ataques intencionais ao meio-ambiente que podem ter consequências de longo prazo. Notavelmente, o Artigo 35(3) do Protocolo Adicional I de 1977 proíbe o emprego de “métodos ou meios de guerra que se destinam a, ou que se espera que possam, causar danos generalizados de longo prazo e graves ao meio ambiente”. A regra 5 do direito internacional consuetudinário codificado exige que as partes em conflito empreguem o princípio da distinção e isso também se estende à proteção do meio ambiente contra ataques, a menos que seja considerado um objetivo militar.[7] Novamente, isso requer proporcionalidade nos ataques e, onde o dano incidental é excessivo em relação à vantagem militar direta e concreta, isso será considerado um ataque desproporcional. Dada a presença de civis, incluindo mulheres e crianças, além da dependência fundamental de terras agrícolas para sobrevivência à luz do bloqueio de 15 anos à Faixa de Gaza, os ataques diretos às terras agrícolas podem ser considerados um uso desproporcional da força.

 

5. Intenção de cometer crimes internacionais; a doutrina Dahiya continua

 

Em 5 de agosto, antes da atual ofensiva militar na Faixa de Gaza, o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, declarou: “Aos nossos inimigos em geral e aos líderes do Hamas e da Jihad Islâmica, digo explicitamente: ‘Seu tempo é limitado. A ameaça será removida de uma forma ou de outra”[8]. Além disso, em uma declaração conjunta, o primeiro-ministro Yahir Lapid e Benny Gantz afirmaram que “qualquer um que tente prejudicar Israel deve saber: nós o encontraremos. As forças de segurança vão agir contra os terroristas da Jihad Islâmica para eliminar a ameaça que representam para os cidadãos de Israel.”[9] Esta retórica tradicional reflete a doutrina militar israelense Dahiya que foi explicada por um ex-oficial militar israelense da seguinte forma: "nós usaremos poder desproporcional contra todas as aldeias de onde são disparados tiros contra Israel, causando imensos danos e destruição. Do nosso ponto de vista, são bases militares [..] Isso não é uma sugestão. Este é um plano que já foi autorizado.”[10]

As declarações acima deixam muito claro que as autoridades israelenses dirigiram intencionalmente ataques generalizados e indiscriminados a Gaza e, portanto, podem ser processados ​​por vários crimes internacionais. De acordo com o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, os atos acima mencionados equivalem a uma série de crimes de guerra, incluindo: ataques a civis,[11] matar intencionalmente [civis],[12] tratamento desumano,[13] intencionalmente causar sofrimento severo[14] bem como causar morte ou lesão acidental excessiva.[15] Eles são ainda parte do ataque generalizado e sistemático israelense contra a população civil palestina no TPO [Território Palestino Ocupado], e são processáveis ​​como crimes contra a humanidade de perseguição,[16] e apartheid.[17] Por isso, instamos o Promotor do Tribunal Penal Internacional a incluir esses incidentes em sua investigação sobre a Situação na Palestina. Lembramos ainda os Terceiros Estados de sua obrigação de aplicar sua jurisdição universal quando apropriado, de acordo com o artigo 146 da Quarta Convenção de Genebra.
 
 
 
 
 Notas:
 
[1] Dados preliminares do Ministério da Saúde da Palestina e da documentação da Al-Haq, a partir das 15h30 de segunda-feira, 8 de agosto de 2022. As investigações da Al-Haq estão em andamento e incluirão dados desagregados.
[2] Artigo 52, Protocolo Adicional I (1977).
[3] Regra 10, Estudo do CICV sobre DIH Consuetudinário, disponível em: < https://www.icrc.org/en/doc/assets/files/other/customary-law-rules.pdf>
[4] Assembleia Geral da ONU, Res. 53/164; Comissão de Direitos Humanos da ONU, Relator Especial sobre a Situação dos Direitos Humanos na Antiga Iugoslávia, Relatório.
[5] Artigos 8(2)(b)(i) e 8(2)(b)(ii), Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional.
[6] CICV, “Base de dados do DIH, DIH costumeiro”, Regra 14, disponível em https://ihl-databases.icrc.org/customary-ihl/eng/docs/v1_rul.
[7] Protegendo o Meio Ambiente Durante Conflitos Armados, disponível em
[8] Times of Israel, “Gantz jura que a ameaça da Jihad Islâmica na fronteira de Gaza será removida 'de uma forma ou de outra”, 5 de agosto de 2022, disponível em: https://www.timesofisrael.com/gantz-vows-islamic-jihad -ameaça-na-fronteira-de-gaza-será-removida-de uma maneira ou de outra/,[9] Ministério das Relações Exteriores, “Declaração Conjunta do Primeiro Ministro Yair Lapid e do Ministro da Defesa Benny Gantz” 5 de agosto de 2022, disponível em: https://www.gov.il/en/departments/news/joint-statement-by -pm-lapid-and-mod-gantz-5-agosto-2022[10] Haaretz, “ANALYSIS IDF Plans to Use Disproportionate Force in Next War”, 5 de outubro de 2008.
[11] Estatuto de Roma, Artigo 8(2)(b)(i)
[12] Estatuto de Roma, Artigo 8(2)(a)(i)
[13] Estatuto de Roma, Artigo 8 (2)(a)(ii)
[14] Estatuto de Roma, Artigo 8(2)(a)(iii)
[15] Estatuto de Roma, Artigo 8(2)(b)(iv)
[16] Estatuto de Roma, Artigo 7(1)(h)
[17] Estatuto de Roma, Artigo 7(1)(f)

Traduzido para o português por IBRASPAL

Confira o original (em inglês) em https://www.alhaq.org/advocacy/20394.html 

  • Gravatar - Post by
    postado por: Al-Haq
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.