Sexta Feira, 22 Janeiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Relatório da ONU: O custo das guerras israelenses e do bloqueio a Gaza atingiu 107% da produção interna bruta

Um novo relatório divulgado pelas Nações Unidas destaca a tragédia que os moradores da Faixa de Gaza estão experimentando, como resultado do fechamento de longo prazo e das massivas operações militares realizadas pelas forças de ocupação israelenses.

O relatório enfatizou que o cerco imposto à população por 14 anos e as operações militares estão levando a economia de Gaza à "beira do colapso".

Dr. Mahmoud Al-Khafif, economista-chefe da Organização das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (UNCTAD), disse que o custo do bloqueio existente e das três guerras sofridas pela Faixa de Gaza é estimado em seis vezes produção interna bruta de Gaza em 2018, ou 107% da produção interna bruta palestina no mesmo ano.

No relatório intitulado "Custos econômicos incorridos pelo povo palestino devido à ocupação israelense: a Faixa de Gaza está sendo fechada e impôs restrições" e que abrange o período entre 2007 e 2018, Al-Khafif afirma que a estreita Faixa de Gaza, que cobre uma área de cerca de 365 quilômetros quadrados, é habitada por quase dois milhões de pessoas palestinas, sob bloqueio total de Israel desde junho de 2007 até agora.

No novo relatório das Nações Unidas, um funcionário de uma organização internacional descreveu a Faixa de Gaza como uma "grande prisão".

O relatório mencionou que, além desse bloqueio, o povo palestino sofreu três grandes guerras, a primeira delas em 2008-2009. Quanto à segunda guerra, que ocorreu em 2012, e a terceira guerra em 2014, Al-Khafif observa que as dimensões humanas do cerco e das três guerras são verdadeiramente terríveis, mas a UNCTAD olha apenas para as dimensões econômicas.

O relatório indica que a taxa de desemprego em Gaza é a mais alta do mundo, onde mais da metade da população vive abaixo da linha da pobreza, e a maioria da população não tem acesso a água potável e eletricidade regular e nem mesmo uma rede de saneamento adequada.

Como resultado do colapso da produção interna bruta, entre 2007 e 2018, a taxa de pobreza na Faixa de Gaza saltou de 40% para 56%. A pobreza aumentou de 14% para 20%, e o custo anual de tirar indivíduos da pobreza quadruplicou, de 209 milhões de dólares para 838 milhões de dólares.

O relatório indica que essas estimativas são parciais, porque cobrem apenas o custo econômico da ocupação israelense resultante do fechamento prolongado e das sucessivas operações militares na Faixa de Gaza entre 2007 e 2018, e não incluem os outros custos da ocupação israelense, por exemplo, os efeitos econômicos de impedir o povo palestino de usar os campos de gás natural de Gaza.

O relatório afirma que se não houvesse fechamentos e operações militares nos últimos anos, a taxa de pobreza em Gaza teria diminuído para 15% em 2017, o que é um quarto da taxa atual de 56%, e a lacuna de pobreza teria sido de 4,2%, Ou seja, um quinto de sua taxa atual de 20%.

Nesse contexto, o relatório pede o fim do fechamento imposto a Gaza para que os residentes da Faixa possam negociar livremente com o resto do território palestino ocupado e com o mundo.

Ele também enfatizou a necessidade urgente de restaurar o direito dos palestinos à liberdade de movimento para fins de negócios, cuidados médicos, educação, entretenimento e laços familiares.

Este relatório e pesquisas anteriores sobre o custo econômico da ocupação israelense vêm em resposta a cinco resoluções da Assembleia Geral das Nações Unidas (69/20, 70/12, 71/20, 72/13, 73/18, 74/10) que solicitam que a UNCTAD avalie o custo econômico incorrido pelo povo palestino por causa da ocupação israelense e sua documentação.

O relatório da UNCTAD delineou algumas recomendações para colocar Gaza no caminho certo para alcançar o desenvolvimento sustentável. Entre eles, o levantamento completo das restrições impostas ao acesso e movimento para a Cisjordânia e o resto do mundo, e o avanço do potencial econômico da Faixa de Gaza por meio de investimentos, construção de um porto marítimo e um porto aéreo, projetos de água e eletricidade e permitindo ao governo palestino desenvolver recursos de petróleo e gás natural de Gaza, e isso iria fornecer os recursos necessários para reabilitar, reconstruir e reviver a economia de Gaza. Também melhoraria a posição financeira da Autoridade Nacional Palestina e da economia palestina em geral.

De acordo com o relatório, o Secretário-Geral das Nações Unidas continuará a garantir o trabalho da organização para o estabelecimento de um estado palestino independente, democrático, conectado e viável, vivendo em paz e segurança.

Vale ressaltar que as crises dos moradores da Faixa de Gaza caminham para uma crise mais severa, em função da grave crise financeira que a Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras (UNRWA) enfrenta, especialmente porque o déficit financeiro ameaça reduzir seus serviços educacionais,sociais e serviços de saúde.

Sabe-se que 1,4 milhão de refugiados palestinos vivem na Faixa de Gaza, que é habitada por dois milhões de cidadãos, e 80% da população da Faixa depende de ajuda estrangeira para administrar suas vidas, segundo organizações internacionais, devido aos altos índices de pobreza e desemprego a taxas altíssimas.

 

Fonte: Al-Quds Al-Arabi

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.