Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Relembrando o ataque incendiário que deixou órfão Ahmed Dawabsheh

O quê: colonos israelenses judaicos extremistas atacaram a casa da família Dawabsheh, deixando órgão Ahmed e matando seus pais e o irmãozinho, Ali

Onde: Duma – aldeia perto de Nablus, na Cisjordânia ocupada

Quando: 31 de julho de 2015

O que aconteceu?

Em 31 de julho de 2015, Ali Saeed Dawabsheh foi queimado até a morte em sua casa. Ele tinha 18 meses de idade. Ali sofreu queimaduras graves depois que sua casa, situada na vila de Duma, na Cisjordânia, foi atacada por colonos judeus israelenses. Os pais e irmão de Ali também sofreram queimaduras de segundo e terceiro grau, e foram levados para o Centro Hospitalar Rafedia, em Nablus.

Dois colonos extremistas foram responsáveis ​​pelo ataque à casa de Dawabsheh, usando coquetéis Molotov. Um colono foi posteriormente nomeado como Amiram Ben-Uliel, de 21 anos; o outro, de 16 anos, não pode ser identificado por razões legais. Acredita-se que Ben-Uliel seja parte de um movimento conhecido como “juventude no topo da colina”, um grupo de jovens colonos que instalaram postos avançados ilegais em topos de morros na Cisjordânia ocupada.

O ataque foi rotulado como um incidente de “preço”, um termo usado para ataques contra palestinos realizado como uma vingança pelas ações do governo israelense consideradas contra os colonos. Acredita-se que o ataque à casa de Dawabsheh foi uma vingança pela demolição israelense de dois prédios no assentamento ilegal de Beit El (mesmo sob a lei israelense), situado perto da estrada Ramallah-Nablus, a cerca de 11 quilômetros de Duma. Graffitis dizendo “vingança”, “viva o messias” e “preço” foram encontrado na casa da família Dawabsheh.

Pouco depois do ataque, em 5 de agosto, as forças de ocupação israelenses invadiram a casa de Dawabsheh sob o pretexto de conduzir investigações sobre o incêndio. O ativista palestino Omar Dawabsheh disse à imprensa que os soldados revistaram a propriedade nas primeiras horas da manhã, confiscando algumas das posses da família.

Três dias depois, em 8 de agosto, o pai de Ali, Saad, que sofreu queimaduras graves em 80% de seu corpo, morreu por causa de seus ferimentos. Em setembro, a mãe de Ali, Riham, também morreu de ferimentos. Médicos do Sheba Medical Center de Israel, onde ela vinha passando por um tratamento extensivo, disseram à família que ela “parou de responder à medicina e ao cultivo de pele e que a maioria de seus órgãos parou de funcionar”.

As principais figuras do establishment israelense inicialmente se uniram para condenar o ataque, com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu dizendo: “Estou chocado com esse ato repreensível e horrível”. O ministro da Educação de Israel, Naftali Bennett, twittou: “Não é um crime de ódio ou preço. É assassinato. Terror é terror é terror.

O assassinato da família provocou protestos nos territórios palestinos ocupados, que continuaram durante o outono de 2015. Combinado com confrontos na Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, o assassinato dos Dawabshehs teria motivado o aumento dos protestos e esfaqueamentos que deixaram quatro israelenses e 14 palestinos mortos.

Ahmed foi o único membro da família a sobreviver ao ataque. Ele foi tratado na unidade de terapia intensiva do Hospital Tel HaShomer por cinco meses e passou por um total de dez cirurgias, incluindo enxertos de pele. Quase um ano após o ataque, em junho de 2016, Ahmed pôde ser visto com cicatrizes no lado direito de seu rosto e mãos enquanto participava do Palestine Media Forum em Istambul, na Turquia, com seu tio Nassr. Dois meses depois, a condição de Ahmed se deteriorou e ele foi readmitido no hospital. Ele permanece sob a guarda de Nassr e seu avô, Hussein.

 

O que aconteceu depois?

Em janeiro de 2016, Ben-Uliel e o menor de 16 anos foram indiciados por realizar o ataque incendiário. Ben-Uliel enfrentou processos por três acusações de assassinato, enquanto o menor enfrentou acusações de conspirar para cometer um assassinato. Ben-Uliel admitiu o ataque a bomba contra a casa de Dawabsheh e seu envolvimento em seis outros ataques de motivação racial em aldeias palestinas.

Apesar da condenação inicial, em 3 de maio de 2017, Israel se recusou a pagar indenização a Ahmed e à família Dawabsheh. Yousef Jabareen MK exigiu que o ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, reconhecesse a família Dawabsheh como vítimas de um ato terrorista e, portanto, com direito a indenização. Em um comunicado, Jabareen enfatizou que, “se estivéssemos falando de colonos judeus feridos pelos palestinos, as vítimas receberiam automaticamente indenização”. Lieberman respondeu com uma carta oficial a Jabareen afirmando que a compensação não seria paga.

Em 11 de maio de 2018, membros da extensa família Dawabsheh foram alvo do segundo incêndio criminoso. “Um grupo de colonos atacou minha casa ao amanhecer”, explicou Yasser Dawabsheh, “quebrando uma janela e jogando um coquetel Molotov  antes de fugir do local.” As equipes de bombeiros conseguiram controlar o incêndio antes que a casa fosse incendiada.

Em  junho, enquanto prosseguia o julgamento de Ben-Uliel, militantes israelenses de direita insultavam membros da família Dawabsheh do lado de fora do tribunal em Lod, a leste de Tel Aviv. “Onde está Ali?”, Os desordeiros gritaram: “Ali está morto … Ali está na grelha.” Eles riam e também urinavam. Apesar de 20 policiais israelenses estarem no local, eles não fizeram nenhum movimento para conter os manifestantes.

Em 21 de junho de 2018, um tribunal israelense rejeitou a confissão do colono de 16 anos. O tribunal decidiu que ele tinha sido obtido sob coação e, portanto, era inadmissível. Omar Khamaisi, advogado da família Dawabsheh, disse ao Monitor do Oriente que “o menor não foi acusado de homicídio, mas sim de planejamento prévio e conspiração. Suas confissões e declarações referindo-se às atividades de vingança, de queima e sabotagem de propriedades palestinas foram tomadas e aceitas. ” Já a confissão de Ben-Uliel foi considerada admissível, entretanto, conforme informou o Times de Israel“ os juízes determinaram que havia passado tempo suficiente entre a ocasião em que  foi torturado e o momento em que admitiu o crime. ”

Em julho de 2018, o Tribunal do Distrito Central de Israel ordenou que o menor fosse liberado para prisão domiciliar. Ben-Uliel continua sob investigação.

 

Fonte: Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.