Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Relembrando o massacre de Deir Yassin 73 anos depois

Por Dr. Mustafa Fetouri

Deir Yassin é uma vila palestina situada no topo de uma colina, a uma curta distância do oeste de Jerusalém. Se você tentar encontrá-lo em um mapa hoje, ficará desapontado, pois a vila foi completamente arrasada.

 

Em seu lugar, em 1951, o recém-criado Estado de Israel construiu um centro de saúde psiquiátrica, aproveitando alguns dos prédios da vila que permaneceram intactos. Mas Deir Yassin é mais do que uma aldeia; sua história abrange toda a tragédia palestina.

 

Deir Yassin era uma vila pacífica cujos menos de 1.000 residentes viviam uma vida bastante tranquila, com um certo grau de prosperidade econômica. A vila era famosa por seu negócio de corte de calcário. No entanto, tudo isso mudou em 9 de abril de 1948, quando algumas centenas de milícias sionistas armadas entraram na aldeia e cometeram um dos massacres anteriores que se tornaram prática padrão para o monstro recém-fundado do Oriente Médio - Israel.

 

Naquela sexta-feira, 73 anos atrás, algo entre 100 e 250 mulheres, crianças e jovens desarmados foram mortos em poucas horas, sem nenhum motivo além de serem palestinos. Os que sobreviveram, com medo e apavorados, deixaram suas casas e propriedades para buscar abrigo em outro lugar. Eles se tornaram apenas mais um número no ainda em curso desenraizamento de palestinos de suas casas.

 

Ninguém jamais foi responsabilizado pelo massacre de Deir Yassin.

 

Menachem Begin era um dos fanáticos sionistas que liderou uma gangue armada, conhecida como Irgun, com membros de outra milícia chamada Lehi, para massacrar civis palestinos desarmados. Ambos os grupos eram apenas dois de dezenas de outros grupos armados sionistas operando na Palestina Obrigatória. Antes, durante e depois da Nakba, suas principais tarefas eram preparar o terreno para a criação do Israel moderno, matando e deslocando o maior número possível de palestinos - uma política de terra arrasada que está em prática desde os primeiros dias de Israel.

 

Ironicamente, Begin reinventou-se, como a maioria dos líderes israelenses anteriores, para se tornar um político e até mesmo servir como primeiro-ministro de 1977 a 1983. Sua carreira culminou ao fazer a paz com o Egito como o primeiro país árabe a normalizar os laços com Israel. Nascido na atual Bielo-Rússia, Begin tornou-se um dos mais conhecidos líderes de gangue no Mandato Britânico da Palestina, capaz de qualquer coisa, desde que fosse útil para Israel.

 

A propaganda sionista até tentou contestar o fato de que o massacre de Deir Yassin jamais aconteceu. No entanto, esse fato doloroso e vergonhoso está agora além de qualquer dúvida histórica, assim como outros massacres mundiais infames, como o massacre de My Lai cometido pelos militares dos EUA no Vietnã do Sul em 1968.

 

Um jornalista judeu em Jerusalém, que testemunhou o desenrolar do massacre, escreveu que todas as reportagens sobre o massacre eram “diretas, frescas e convincentes”. No entanto, muitos sionistas extremistas “ainda se recusam a acreditar nisso”.

 

 

O massacre de Deir Yassin ocorreu em 9 de abril de 1948, quando cerca de 120 combatentes dos grupos paramilitares sionistas Irgun e Lehi atacaram Deir Yassin, uma aldeia árabe palestina de cerca de 600 pessoas perto de Jerusalém

Natan Friedman-Yellin, ele próprio um criminoso, considerou o massacre de Deir Yassin "desumano". Ele era comandante conjunto da Gangue Judaica Stern em 1948, mas não conseguiu engolir as ações de seus colegas.

 

Um membro da delegação do Reino Unido na Organização das Nações Unidas (ONU), em carta datada de 20 de abril de 1948, confirmou o ataque a Deir Yassin no qual “250 homens, mulheres e crianças árabes” foram mortos em “circunstâncias de grande selvageria”. A Palestina, na época, era um território do Mandato do Reino Unido, aguardando a determinação do status final pela ONU.

 

Matar civis e destruir aldeias e cidades inteiras tornou-se parte do código de conduta militar israelense e ainda é amplamente praticado hoje, mas com um poder mais letal. Como resultado, vimos dezenas de massacres cometidos pelo exército israelense em plena luz do dia e transmitidos ao vivo pela televisão mundial. Nem um único oficial militar israelense foi responsabilizado até agora.

 

O exército israelense fez seu nome matando civis descaradamente e ignorando todas as leis internacionais que regulam guerras e conflitos. Por exemplo, em 2009, bombardeou uma escola da ONU em Gaza, matando pelo menos 40 civis que estavam abrigados no prédio. Em 18 de abril de 1996, o exército israelense disparou bombas de motor em um complexo da ONU perto da pequena aldeia libanesa de Qana. Mais de 100 civis que buscaram proteção na área foram mortos em minutos. Tanto a escola em Gaza quanto o complexo em Qana foram claramente marcados como propriedades da ONU. Como Deir Yassin, ninguém foi responsabilizado. Tanto o massacre de Qana quanto a atrocidade da escola de Gaza passaram sem uma investigação completa e a devida responsabilização.

 

Desenvolvimentos recentes, no entanto, oferecem um vislumbre de esperança. O Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia abriu sua primeira investigação sobre os crimes de Israel na Cisjordânia e em Gaza. Em 3 de março, a promotora do TPI Fatou Bensouda anunciou que seu escritório iniciaria a investigação para cobrir todos os crimes suspeitos desde 2014.

 

Israel rejeita qualquer investigação sobre seus crimes de guerra na Palestina, e Benjamin Netanyahu rejeitou repetidamente a investigação do TPI. Como de costume, Israel tem total apoio dos EUA para rejeitar qualquer investigação do TPI, apesar das evidências crescentes de que o exército israelense cometeu crimes contra a humanidade e crimes de guerra em suas repetidas operações em Gaza e na Cisjordânia. Tanto Israel quanto os EUA não são membros do ICC e não reconhecem sua jurisdição.

 

Não se espera muito da investigação do ICC, mas ainda assim, tem uma espécie de efeito dissuasor para o futuro. Ao lançar sua investigação, o TPI envia uma mensagem clara aos políticos israelenses e oficiais do exército de que estão sendo vigiados de perto. Também diz que Israel pode ter potencial para outro Deir Yassin e massacres ainda piores, mas não é tão imune quanto era décadas atrás.

 

Fonte: Palestine Responds

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.