Sexta Feira, 07 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

RioplatensesNoVayan: Organizações de direitos humanos solicitam que não seja disputado o amistoso entre Uruguai e Argentina em Israel

Organizações de direitos humanos iniciaram uma campanha em solidariedade à Palestina para conscientizar a situação nos territórios palestinos ocupados solicitando o cancelamento da partida de futebol dos times de futebol masculino da Argentina e Uruguai no próximo dia 19 de novembro.

Guillermo Martinez

 

O pedido foi feito à AFA (Associação Argentina de Futebol) e à AUF (Associação Uruguaia de Futebol). As entidades que realizaram esse pedido aguardam a resposta das organizações de futebol, pois há um registro do cancelamento pela equipe masculina argentina da partida que seria disputada em 2018 com Israel.

As informações da partida foram realizadas na última semana de setembro na mídia nos dois bancos do Rio da Prata, mas sem a confirmação do calendário de partidas na AFA ou AUF. A carta enviada às duas organizações está anexada aqui,

Ignacio Alonso Sabat

Presidente da Associação Uruguaia de Futebol

Claudio Fabián Tapia

Presidente da Associação Argentina de Futebol

S / D

De nossa mais alta consideração:

Com base nos rumores divulgados pela mídia sobre a possibilidade de que nossos times de futebol masculino joguem um amistoso em Tel Aviv, queremos transmitir nossa preocupação, já que esse evento esportivo será usado politicamente para fortalecer o lobby de um estado genocida que viola sistematicamente os direitos humanos do povo palestino há 70 anos. Queremos lembrá-lo de que as organizações de direitos humanos mais reconhecidas do mundo, incluindo a Anistia Internacional, a Human Rights Watch, a FIDH e até organizações israelenses como a B'Tselem, acreditam que o Estado de Israel viola sistematicamente os direitos humanos do povo palestino.

Você deve se lembrar das quatro crianças que morreram de um míssil israelense disparado da costa enquanto jogavam futebol na praia de Gaza em julho de 2014. Além disso, o Estado de Israel tem uma longa história de repressão e obstrução do esporte e futebol palestino: prisão sem julgamento, mutilação de jogadores de futebol, assassinato, bombardeio de estádios e quadras, proibição de jogadores de Gaza de se mudarem para a Cisjordânia para competir em campeonatos nacionais, além de impedi-los de viajar para o exterior para participar de torneios internacionais, treinando de times de futebol nas colônias israelenses ilegais instaladas em terras palestinas roubadas etc. 

Por todas essas razões, várias campanhas foram realizadas (especialmente no âmbito da UEFA) para exigir que a FIFA adotasse sanções contra esse país, por violar repetidamente a liberdade esportiva e o direito ao esporte do povo palestino. Veja aqui as campanhas sob o lema: Cartão Vermelho ao Apartheid Israelense.

O Estado de Israel também usa o esporte e a cultura para lavar sua imagem internacional e desviar a atenção para os crimes que comete diariamente contra o povo palestino. Portanto, aceitar seus convites para fazer festas ou shows em seu território é participar dessa lavagem de imagem. Independentemente da sua intenção, Israel usará o partido de nossas equipes nacionais para se mostrar como um estado moderno, aberto e liberal, ocultando a realidade de seu regime de ocupação militar, colonialismo e Apartheid (como um comitê de especialistas da ONU descrito no relatório do ano de 2017). 

É por tudo isso que, desde 2005, quase 200 organizações da sociedade civil palestina solicitaram a todos os povos do mundo que se juntassem a uma campanha global de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) para pressionar Israel até que respeite o Direito internacional e os direitos do povo palestino. O BDS é inspirado na campanha que ajudou a pressionar e acabar com o apartheid sul-africano, que em seus últimos anos de vida foi proibido de participar de qualquer torneio esportivo internacional.

Com esta mensagem, queremos apelar à sua sensibilidade e trajetória humanitária. Peça a eles que nos deem a oportunidade de falar em profundidade sobre nossas razões para solicitar que ouçam o chamado para boicotes culturais e esportivos. Estamos à disposição para fornecer informações e manter um diálogo positivo e fraterno. Gostaríamos que os senhores ouvissem todos os argumentos, tenha informações e depois tomem a decisão certa. Embora seja verdade que na questão Palestina-Israel haja duas narrativas, existe apenas uma realidade, e essa é a desapropriação e opressão do povo palestino. Não podem estar erradas tantas resoluções da ONU, do Tribunal Internacional de Justiça, do Tribunal Russell na Palestina e de outras agências criadas para garantir os direitos humanos. A posição ética é ficar do lado dos oprimidos e ouvir o seu clamor. Como disse o arcebispo Desmond Tutu: "Se você é neutro em uma situação de injustiça, está tomando partido do opressor".

Esperamos que suas associações repitam a decisão correta e digna da seleção argentina masculina de cancelar seu amistoso em Israel em 2018 e adotem uma medida exemplar e coincidente com os ideais de direitos humanos que enunciam, representando os valores de solidariedade, solidariedade e amizade dos povos argentino e uruguaio com outros povos vítimas de opressão, apartheid e genocídio, como é o caso do povo palestino. A África do Sul preparou o caminho para os Palestinos três décadas atrás. Não podemos voltar atrás e endossar com nossa presença amiga um regime de apartheid no século XXI.

O futebol e o esporte são incompatíveis com a ocupação militar, a colonização e o Apartheid, e com a violação sistemática dos direitos humanos fundamentais de um povo inteiro. Não há nada de 'amigável' no regime do Apartheid, portanto, nada de aceitável ao que acontece na Palestina nos dias atuais.

Fonte original: Virginia Bolten.

 

Fonte: Os outros judeus

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.