Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Save the Children: Destruição de casas na Cisjordânia e na Jerusalém ocupada cria um sentimento de 'negligência' nas crianças

O relatório: 'Esperança sob os escombros', fala do horror e do trauma vivido por meninas e meninos palestinos cujas casas foram demolidas pelas autoridades de ocupação, e que o mundo e todas as organizações legais e humanitárias descreveram como 'deslocamento' forçado ' e "crimes de guerra", mas ninguém faz nada, impunidade absoluta para as atrocidades!

Quatro em cada cinco crianças na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental que sofreram a destruição de suas casas pelas autoridades israelenses se sentem "abandonadas pelo mundo", de acordo com um relatório da ONG Save the Children que também inclui sentimentos de desesperança e desamparo olhando para o futuro.

 

O relatório, 'Esperança sob os escombros: o impacto da política de demolição de casas de Israel sobre as crianças palestinas e suas famílias', examina a percepção de 217 famílias que sofreram a demolição de suas casas como resultado de uma polêmica política israelense que certamente as crianças desejam reverter.

 

“Ninguém os impediu ou conseguiu evitar que destruíssem nossa casa, nossas vidas novamente. Então, por que eu deveria me preocupar em sonhar com um bom futuro? ”, Explica Fadi, de 16 anos, que como tantos outros adolescentes parou de confiar nas autoridades locais, comunidade internacional e até mesmo suas próprias famílias.

 

Faris, 14, teme que aonde quer que ele vá, alguém vá atrás dele e "destrua" sua vida. "Continuamos nos movendo para encontrar um lugar para morar, a instabilidade está me deixando louco", disse ele à Save the Children, que publica seu relatório com total incerteza sobre o futuro dos bairros Sheikh Jarrá e Silwan em Jerusalém Oriental.

 

Ghassan, 15, tem pesadelos com escavadeiras que destruíram sua casa. Assim, lamenta que carregue apenas “lembranças tristes” e revive a demolição que deixou sua família sem nada: “Ainda me sinto traumatizado pelos soldados e seus cães que atacaram e feriram meu pai” durante a demolição.

 

Três em cada quatro pais sentem-se desamparados e envergonhados e 35 por cento reconhecem que, após a demolição, estão emocionalmente distantes dos filhos. Oitenta por cento das famílias reconhecem que sua situação financeira foi seriamente afetada e mais de um quarto está desempregado, mas muito poucos afirmam ter recebido algum tipo de apoio.

 

A Save the Children considera as demolições de casas ilegais segundo o direito internacional e pede que Israel, como potência ocupante, proteja todos os que estão sob tal ocupação. O diretor da ONG nos Territórios Palestinos Ocupados, garantiu que as conclusões "chocantes" do relatório deveriam ser "um grito de alerta".

 

"A menos que a comunidade internacional deixe claro que responsabilizará o governo israelense por tais violações, as casas e escolas continuarão a ser demolidas e as crianças pagarão o preço mais alto", acrescentou Lee. Somente nos últimos 12 anos, cerca de 6.000 famílias foram afetadas por essas práticas.

 

Fonte: Europa Press. Edição do PalestinaLibre.org / Escritório de Santiago

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.