Segunda Feira, 16 Setembro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Se você se preocupa com os direitos humanos e especialmente com os menores deles, venha protegê-los e compartilhe o que aconteceu com o resto do mundo.

Quando a ocupação justifica tudo: Israel atira na cabeça de um garoto de nove anos e lava as mãos.

Soldados israelenses atiraram na cabeça de um garoto palestino com munição real na última sexta-feira, 12 de julho, durante um protesto em que participamos.

Soldados israelenses atiraram na cabeça de um garoto palestino com munição real na última sexta-feira, 12 de julho, durante um protesto em que participamos. O motivo da manifestação é protestar contra a expansão dos assentamentos na vila palestina de Kafr Qaddum, no norte do país perto de Nablus.

  

Abdul Rahman Yasser Shteiwi, 9 anos, foi baleado enquanto estava sentado na porta de uma das casas da cidade, fazendo desenhos no chão com um pedaço de madeira e totalmente alheio à demonstração que estava acontecendo naquele momento. Ele estava sozinho e longe dos confrontos entre soldados e manifestantes. Qual foi então o motivo de matá-lo? 

Abdul foi levado às pressas para o Hospital Rafidia em Nablus por volta das 15h. e foi operado imediatamente. No sábado, médicos palestinos relataram que uma varredura do cérebro da criança mostrou mais de 100 fragmentos de bala alojados em sua cabeça. Alguns dias depois, Abdul foi transferido para o hospital de Tel Hashomer, perto de Tel Aviv. Trata-se de um curioso conto de que Israel cuida de suas próprias vítimas.

 

Abdul no hospital Nablus momentos depois de ser operado.

O chefe de neurocirurgia do hospital Rafidia -Othman Othman- que operou o garoto por três horas e meia, disse que a bala disparada em Abdul era uma munição real e não qualquer tipo de dispositivo de controle de massa. Falando através de um intérprete, ele disse: “Abdul teve uma lesão penetrante no lobo frontal, no lado direito. A lesão foi grave e há mais de 100 fragmentos de balas na cabeça. ”

Ele acrescentou: “Esta não é uma bala de borracha. É uma bala real. Um artefato de borracha não entraria dessa maneira no crânio porque não possui uma ponta afiada. Isso é algo que tinha uma ponta afiada.

Othman acrescentou que acredita que a bala disparada contra Abdul "não era uma bala normal":

“Vi muitos ferimentos a bala e eles só se partem em poucos pedaços. Mais de 100 fragmentos não são normais. ”

Isso contradiz as alegações do exército israelense de que nenhuma munição real foi disparada durante o protesto na sexta-feira, 12 de julho. Hoje, o exército continua a reiterar essa declaração, apesar das muitas evidências reunidas no caso.

 

Os cartuchos de bala, um com o projétil ainda nele, foram apanhados pelos moradores da cidade logo após o protesto de 12 de julho.  

O menino de 9 anos permanece em estado crítico, aguardando evolução. Othman concluiu: "Ainda não podemos dizer qual é a verdadeira lesão cerebral e as consequências que Abdul terá caso ele sobreviva".

O líder do comitê de resistência popular em Kafr Qaddum, Murad Shteiwi, disse: “Não tenho palavras para explicar a tristeza que sinto. Mas se o exército israelense acredita que, com esses tipos de práticas iremos parar de denunciar seus abusos, estão muito errados. Nós nunca vamos parar de lutar”.

Murad seria preso sem motivo aparente algumas semanas depois. Ele foi detido pela polícia israelense por cinco dias, sofrendo todos os tipos de abusos e assédio durante seu interrogatório.

Shteiwi acrescentou: “Quero enviar uma mensagem para toda a comunidade internacional; se você se preocupa com os direitos humanos e especialmente com os menores deles, venha protegê-los e compartilhe o que aconteceu com o resto do mundo.

O povo de Kafr Qaddum realiza protestos semanais há 9 anos contra o fechamento da estrada principal para a cidade de Nablus, devido à expansão de assentamentos em colonos israelenses próximos. Os manifestantes se reúnem regularmente com gás lacrimogêneo e balas de aço revestidas de borracha disparadas por forças de ocupação israelenses fortemente armadas.

Desde o início da segunda Intifada, em setembro de 2000, 2103 crianças palestinas foram mortas pelas forças de ocupação israelenses, segundo dados da Defense for Children Internatonal.

 

Fotografia de Abdul dias antes de ser baleado pelas forças de ocupação israelenses.

 

Fonte: Blog Público - Espanha

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.