Quarta Feira, 08 Julho 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Sobrinho de alto funcionário palestino assassinado a tiros por soldados israelenses

O sobrinho do alto funcionário palestino Saeb Erekat foi assassinado a tiros por oficiais israelenses na terça-feira em um posto de controle perto de Abu Dis, na Cisjordânia ocupada.

Erekat, secretário-geral da Organização de Libertação da Palestina, disse que Ahmad Erekat, 27, foi "assassinado a sangue frio".

Sua família disse que ele foi morto a caminho de um salão de beleza para buscar sua irmã, que estava se preparando para o casamento marcado para o final do dia.

"Esta noite foi o casamento de sua irmã, o dele foi no próximo mês", disse Noura Erekat, prima de Ahmad e advogada de direitos humanos.

 

Em um tweet, Erekat disse que considera o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu responsável pelo assassinato de Ahmad.

As autoridades israelenses descreveram o incidente como um ataque terrorista e alegaram que o jovem estava dirigindo em direção a policiais em alta velocidade.

Erekat considerou as acusações da polícia "impossíveis", dizendo que Ahmad deveria se casar em breve.

A família Erekat também rejeitou as alegações e pediu às autoridades israelenses que divulgassem imagens de segurança.

"Os únicos terroristas são os covardes que atiraram para matar um jovem bonito e o culparam por isso", disse Noura Erakat.

 

Mais tarde, em Abu Dis, os palestinos atiraram pedras nos soldados que responderam usando gás lacrimogêneo e munição com ponta de esponja, informou a AFP.

Não houve relatos imediatos de feridos.

"Israel deve ser responsabilizado por seu assassinato primeiro, justificar a política mais tarde", disse Hanan Ashrawi, funcionário sênior da OLP.

Ashrawi exortou a comunidade internacional a tomar "medidas concretas" contra Israel pela morte de Ahmad.

"A vida palestina é importante", disse ela, lembrando o assassinato da polícia de um homem autista em Jerusalém no mês passado.

"É hora de o mundo responsabilizar Israel e garantir que a justiça seja feita pelas vítimas palestinas".

O incidente de terça-feira aconteceu quase um mês depois que um palestino foi morto em circunstâncias semelhantes perto da cidade ocupada de Ramallah, na Cisjordânia.

Ele foi morto a tiros em 29 de maio, depois que a polícia disse que ele tentou dirigir um carro contra soldados israelenses, nenhum dos quais ficou ferido.

O incidente ocorre em meio a tensões crescentes, com Netanyahu planejando avançar com a anexação de até 30% da Cisjordânia ocupada e do importante vale do Jordão.

O governo Netanyahu prometeu começar a anexar o território a partir de 1º de julho, como parte do plano de paz mais amplo dos EUA.

Autoridades palestinas e árabes alertaram que tal medida extinguiria efetivamente qualquer esperança de uma solução de dois estados para o conflito.

A proposta também provocou críticas e avisos internacionais generalizados de que levaria a uma violência generalizada.

Quase toda a comunidade internacional considera ilegais os assentamentos de Israel na Cisjordânia.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse que uma medida unilateral "minaria" a solução de dois estados.

"A anexação seria não apenas contra o direito internacional, mas seria um fator importante para desestabilizar a região", afirmou Guterres na terça-feira.

"Espero que a voz da razão, que não é apenas minha, esteja ecoando em todo o mundo, seja ouvida pelas autoridades israelenses e que a anexação não ocorra ". 

 

Fonte: The National

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.