Sexta Feira, 21 Junho 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Povo Palestino

Sou um franco-palestino detido em uma prisão israelense - eis o que está realmente acontecendo

Israel quer remover os palestinos de nossa terra por qualquer meio, e busca o silêncio internacional para alcançar este objetivo

Em 18 de agosto, as forças de ocupação israelenses invadiram e fecharam os escritórios de sete organizações da sociedade civil (OSCs) palestinas na Cisjordânia, incluindo os escritórios de Addameer, a organização de direitos dos prisioneiros que eu usava para servir como advogado.

 

As OSC visadas incluem alguns dos mais importantes grupos de direitos humanos e organizações populares na Palestina, como a Al-Haq, que documenta as violações dos direitos humanos e busca responsabilidade pelos crimes israelenses em fóruns internacionais, e a União dos Comitês de Trabalho Agrícola, que ajuda os agricultores e comunidades palestinas tornados vulneráveis pela destruição de terras agrícolas e infra-estrutura de Israel.

 

Estes acontecimentos são a última etapa de uma política israelense de longo prazo para sabotar o desenvolvimento da democracia e da sociedade civil palestina, a fim de impedir a resistência às políticas coloniais de seus colonos.

 

Após o final da Primeira Intifada e com os Acordos de Oslo dos anos 90, a vida política palestina organizada sob ocupação foi enfraquecida, em contraste com um enorme surto de organizações não governamentais dependentes de financiamento condicional de doadores europeus e outros doadores estrangeiros.

 

Agora, porém, mesmo as ONGs cujo foco é simplesmente documentar abusos dos direitos humanos e iniciar processos de responsabilização estão sendo criminalizadas pelas autoridades de ocupação israelenses como os chamados "terroristas" e fechadas.

 

É uma repressão que se intensificou durante a presidência de Donald Trump, no contexto dos esforços EUA-Israelenses para fazer avançar o chamado "acordo do século" e para silenciar vozes dissidentes a um acordo cujo objetivo como projeto político é acabar com a busca pelos direitos nacionais palestinos.

 

O que estamos testemunhando, então, é uma tentativa israelense de finalmente esmagar os palestinos e sua luta, para drenar a causa de qualquer conteúdo político coletivo e nos reduzir a questões "humanitárias" ou econômicas fragmentadas e individualizadas.

 

Minha própria experiência de vida corrobora esta trajetória. Primeiro, meu envolvimento como ativista estudantil foi proibido pelos israelenses, e fui preso inúmeras vezes e mantido em detenção sem julgamento.

 

Após minha libertação da prisão em 2011, me qualifiquei como advogado, concentrando meu trabalho nos presos políticos para dar apoio legal e moral a eles e suas famílias, apesar do fato de que o sistema de tribunais militares coloniais israelenses provou carecer de qualquer tipo de processo justo e é racista quando se trata de julgar os palestinos.

 

No entanto, mesmo isto foi criminalizado por Israel. Minha família tem sido deportada e eu tenho sido repetidamente assediado, espionado e mais uma vez preso e mantido sem julgamento (desde março deste ano) na prisão israelense da qual escrevo este artigo.

 

Em 4 de setembro, as autoridades de ocupação israelenses - cruelmente, e à última hora - renovaram minha detenção administrativa pela segunda vez, com base em "informações secretas", prorrogando minha detenção arbitrária até 4 de dezembro.

 

Por fim, Israel quer retirar os palestinos de nossa terra por qualquer meio, e busca o silêncio internacional para atingir este objetivo. Vemos este objetivo ser avançado em uma base rotineira - como em bairros de Jerusalém como Silwan e Sheikh Jarrah, ou Masafer Yatta na Cisjordânia.

 

Joe Biden ainda tem que reverter muitas das políticas mais flagrantes de Trump, ou fazer qualquer coisa para distanciar a política dos EUA do fascismo israelense. Os Estados europeus, entretanto, apesar de expressarem preocupação com os recentes acontecimentos, ainda não fizeram nada substancial.

 

Em vez disso, eles continuam a negociar livremente e a promover laços com Israel, assim como a França - o país do qual sou cidadão, que continua a não fazer nada pela minha liberdade.

 

Na verdade, é extraordinário como os esforços do governo francês têm sido fracos em meu caso. Um de seus próprios cidadãos, arbitrariamente detido por um tribunal militar no exterior por meses, e alvo de deportação ilegal.

 

Um jogo final israelense, entretanto, permanecerá esquivo enquanto nós, palestinos, ainda estivermos aqui, ainda com esperança e continuando a resistir às injustiças que nos foram infringidas.

 

Salah Hammouri é um advogado franco-palestino e defensor dos direitos humanos.



  • Gravatar - Post by
    postado por: Salah Hammouri
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.