Quarta Feira, 05 Outubro 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Spyware e vigilância: Ameaças à privacidade e aos direitos humanos crescem, adverte relatório da ONU

O direito das pessoas à privacidade está sendo cada vez mais pressionado pelo uso de modernas tecnologias digitais em rede, cujas características as tornam formidáveis ferramentas de vigilância, controle e opressão, um novo relatório da ONU advertiu. Isto torna ainda mais essencial que estas tecnologias sejam reprimidas por uma regulamentação eficaz baseada em leis e normas internacionais de direitos humanos.

GENEBRA (16 de setembro de 2022) - O direito das pessoas à privacidade está sendo cada vez mais pressionado pelo uso de modernas tecnologias digitais em rede, cujas características as tornam formidáveis ferramentas de vigilância, controle e opressão, um novo relatório da ONU advertiu. Isto torna ainda mais essencial que estas tecnologias sejam reprimidas por uma regulamentação eficaz baseada em leis e normas internacionais de direitos humanos.

 

O relatório - o mais recente sobre privacidade na era digital do Escritório de Direitos Humanos da ONU* - analisa três áreas-chave: o abuso de ferramentas intrusivas de hacking ("spyware") pelas autoridades estatais; o papel-chave dos métodos de criptografia robustos na proteção dos direitos humanos on-line; e os impactos do monitoramento digital generalizado dos espaços públicos, tanto off-line quanto on-line.

 

O relatório detalha como as ferramentas de vigilância como o software "Pegasus" podem transformar a maioria dos smartphones em "dispositivos de vigilância 24 horas", permitindo ao "intruso" acesso não só a tudo em nossos celulares, mas também armando-os para espionar nossas vidas.

 

"Enquanto supostamente estão sendo utilizados para combater o terrorismo e o crime, tais ferramentas de spyware têm sido freqüentemente utilizadas por razões ilegítimas, inclusive para reprimir pontos de vista críticos ou dissidentes e sobre aqueles que os expressam, incluindo jornalistas, figuras políticas da oposição e defensores dos direitos humanos", afirma o relatório.

 

São necessárias medidas urgentes para enfrentar a disseminação de spyware, o relatório sinaliza, reiterando o pedido de uma moratória sobre o uso e a venda de ferramentas de hacking até que as salvaguardas adequadas para proteger os direitos humanos estejam em vigor. As autoridades só devem se intrometer eletronicamente em um dispositivo pessoal como último recurso "para prevenir ou investigar um ato específico que represente uma séria ameaça à segurança nacional ou um crime grave específico", diz o relatório.

 

A criptografia é um capacitador chave da privacidade e dos direitos humanos no espaço digital, mas está sendo minada. O relatório pede aos Estados que evitem tomar medidas que possam enfraquecer a criptografia, incluindo a imposição dos chamados backdoors que dão acesso aos dados criptografados das pessoas ou o emprego de uma triagem sistemática dos dispositivos das pessoas, conhecida como escaneamento do lado do cliente.

 

O relatório também lança o alarme sobre a crescente vigilância dos espaços públicos. As limitações práticas anteriores sobre o escopo da vigilância foram varridas pela coleta e análise automatizada de dados em larga escala, bem como por novos sistemas de identidade digitalizada e extensas bases de dados biométricos que facilitam muito a amplitude de tais medidas de vigilância.

 

Novas tecnologias também possibilitaram o monitoramento sistemático do que as pessoas estão dizendo online, inclusive através da coleta e análise dos postos de mídia social.

 

Os governos frequentemente falham em informar adequadamente o público sobre suas atividades de vigilância, e mesmo quando as ferramentas de vigilância são inicialmente implementadas para objetivos legítimos, elas podem ser facilmente redirecionadas, muitas vezes servindo a fins para os quais não foram originalmente concebidas.

 

O relatório enfatiza que os Estados devem limitar as medidas de vigilância pública àquelas "estritamente necessárias e proporcionais", focalizadas em locais e horários específicos. A duração do armazenamento de dados deve ser limitada de forma semelhante. Há também uma necessidade imediata de restringir o uso de sistemas de reconhecimento biométrico em espaços públicos.

 

Todos os Estados também devem agir imediatamente para estabelecer regimes robustos de controle de exportação para tecnologias de vigilância que representem sérios riscos aos direitos humanos. Devem também assegurar que sejam realizadas avaliações de impacto sobre os direitos humanos que levem em conta o que as tecnologias em questão são capazes de fazer, bem como a situação no país receptor.

 

"As tecnologias digitais trazem enormes benefícios para as sociedades. Mas a vigilância generalizada tem um custo elevado, minando os direitos e sufocando o desenvolvimento de democracias vibrantes e pluralistas", disse o Alto Comissário Interino para os Direitos Humanos Nada Al-Nashif.

 

"Em resumo, o direito à privacidade está mais em risco do que nunca", enfatizou ela. "É por isso que a ação é necessária e necessária agora".

 

*ACNUDH - A privacidade na era digital - relatórios anteriores: https://www.ohchr.org/en/privacy-in-the-digital-age

 

Fonte: https://www.ohchr.org/en/press-releases/2022/09/spyware-and-surveillance-threats-privacy-and-human-rights-growing-un-report



  • Gravatar - Post by
    postado por: Escritório do Alto-Comissariado para Direitos Humanos da ONU
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.