Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Tecnologia da morte: o relatório chocante sobre as exportações israelenses de armas

A região do Oriente Médio, atingida por guerras e crises humanitárias adjacentes que deixaram milhões de pessoas apátridas, famintas e doentes; precisa urgentemente de paz, segurança e reconstrução. Graças aos fabricantes americanos, russos, franceses, israelenses e outros fabricantes de armas, agora é o local de despejo de material militar, um sinal ameaçador para os próximos anos.

Os dados divulgados pelo Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI) em 9 de março mostram uma imagem sombria do mundo em geral, e do Oriente Médio em particular. Segundo o relatório, a demanda por armas na região em guerra aumentou 61% entre 2015 e 2019.

A correlação entre armas, guerra e contagem de vítimas não precisa de um algoritmo elaborado para ser decifrado, como demonstram amplamente os fatos no terreno. A Síria continua sendo o epicentro dos conflitos no Oriente Médio, com Líbia, Iêmen, Iraque, Palestina e Sudão do Sul, mas não muito atrás.

Os cinco principais comerciantes da morte, de acordo com o SIPRI, são Estados Unidos, Rússia, França, Alemanha e China. Curiosamente, enquanto as exportações de armas dos EUA aumentaram exponencialmente em 76% nos últimos cinco anos, as exportações de armas da Rússia caíram 18%.

O mercado dos EUA está em constante expansão, pois agora inclui 96 países clientes, enquanto a Rússia perdeu essencialmente um de seus clientes mais significativos, a Índia.

Governada por um governo nacionalista hindu de direita, Delhi encontrou em Tel Aviv um fornecedor mais ideologicamente semelhante. A especial "amizade" entre o Narendra Modi da Índia e Benjamin Netanyahu, de Israel, tornou o maior mercado de armas da Índia Israel.

Em 2017, as exportações de armas de Israel atingiram um recorde de US $ 9 bilhões, após a assinatura de um acordo de US $ 2 bilhões com a Índia. Os contratos concedidos às Indústrias Aeroespaciais de Israel (IAI) foram considerados o "maior acordo único já assinado pela indústria de armas de Israel".

Com a Índia se tornando o maior importador de armas israelenses no mundo, Israel agora é uma parte secundária no prolongado conflito entre Índia e Paquistão. Os dois países com armas nucleares chegaram mais perto do abismo de uma guerra em março de 2019. Naturalmente, as armas israelenses, agora com destaque no arsenal militar da Índia, desempenharão um papel importante na sustentação de qualquer conflito futuro.

De acordo com os dados recém-divulgados, Israel é apenas o segundo da Coréia do Sul em termos da vasta expansão das exportações de armas, já que a indústria manufatureira de armas de Israel sofreu um boom sem precedentes nos últimos anos. O SIPRI estima esse aumento em 77%.

No ano passado, a Diretoria Internacional de Cooperação em Defesa do Ministério da Defesa de Israel (SIBAT), que é a pedra angular da fabricação, teste e exportação de armas de Israel, lançou um plano abrangente destinado à expansão do mercado global de armas de Israel, com o devido foco no EUA, Finlândia e Índia.

O que torna as armas israelenses mais atraentes do que outras, é o fato delas não serem acompanhadas por nenhum preço político. Em outras palavras, Israel está disposto a vender armas para qualquer país, ou mesmo atores não estatais, aberta ou secretamente, independentemente de como essas armas sejam usadas, e se o seu uso viola os direitos humanos ou não.

Em maio de 2019, o capítulo israelense da Anistia Internacional divulgou um relatório aprofundado que examinava os mercados de exportação de armas de Israel. Contrariamente à alegação de Rachel Chen, chefe da Agência de Controle de Exportação de Defesa de Israel, de que "examinaremos cuidadosamente o estado dos direitos humanos em cada país antes de aprovar licenças de exportação para vender as armas", Israel é conhecido por vender suas armas para o violadores de direitos humanos mais notórios do mundo. A lista inclui Mianmar, Filipinas, Sudão do Sul e Sri Lanka.

Uma prova contundente da alegação acima, é uma declaração feita pelo presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, conhecido por seu péssimo histórico de direitos humanos, em 4 de setembro de 2018, durante sua visita a Israel. Duterte disse ao presidente israelense, Reuven Rivlin, que as Filipinas "a partir de agora só comprariam armas de Israel devido à falta de restrições", informou o "Times of Israel".

Os EUA são "um bom amigo", disse Duterte, mas, como a Alemanha e a China, as armas dos EUA vêm com certas "limitações".

Considerando que Washington fornece a Israel mais de US $ 3 bilhões em armas anualmente que são usadas livremente contra palestinos ocupados e outras nações árabes, sem levar em consideração o direito internacional ou humanitário, é preciso se maravilhar com a declaração de Duterte.

É lógico supor que um país que vende armas para o Sudão do Sul, devastado pela guerra e extremamente empobrecido, não tenha um pingo de regulamentação, muito menos de padrões morais.

O que é único, na exportação de armas de Israel e a chamada "tecnologia de segurança", para o resto do mundo elas geralmente aparecem em regiões onde as pessoas são mais oprimidas e vulneráveis. Por exemplo, as empresas israelenses estão há anos na vanguarda da guerra sucessiva das administrações americanas contra imigrantes sem documentos.

Além disso, os últimos anos testemunharam a infusão de táticas militares israelenses brutais em muitos aspectos da sociedade americana, incluindo a militarização da polícia americana, milhares dos quais receberam treinamento em Israel.

Da mesma forma, em 2018, a tecnologia de guerra israelense foi incorporada ao aparato de segurança da União Europeia. Um desses contratos foi concedido à empresa israelense Elbit, estimada em US $ 68 milhões, para fornecer serviços de sistema de aeronaves não tripuladas marítimas (UAS). Essa tecnologia, que depende do sistema de patrulha marítima Hermes 900, permite que a Frontex - Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira - intercepte refugiados e migrantes de guerra em suas tentativas de atravessar para territórios europeus mais seguros.

Curiosamente, a UE comprou de Israel a mesma tecnologia mortal que o exército israelense usou contra palestinos na sitiada Faixa de Gaza durante a chamada guerra de 'Borda Protetora' de 2014 em Israel.

O último fato representa a espinha dorsal da estratégia de marketing de Israel. Marcando seus produtos militares como "comprovados em combate", Tel Aviv é capaz de obter o melhor preço por sua tecnologia sangrenta, pois é capaz de demonstrar, usando imagens reais, como seus drones armados, por exemplo, podem arrasar bairros palestinos inteiros em segundos e retorne com segurança às suas bases dentro de Israel.

O SIPRI e a Anistia Internacional têm razão em expor o próspero mercado de exportação de armas de Israel, enfatizando o fato de que muitas dessas armas proliferam livremente entre os violadores dos direitos humanos. Mas um foco muito maior deve ser colocado no fato de que Israel é, por si só, um notório violador de direitos humanos que deve ser responsabilizado por seus crimes contra os palestinos, que costumam ser usados ​​como cobaias no estágio de testes da tecnologia da morte em Israel.

 

Ramzy Baroud é jornalista, autor e editor do Palestine Chronicle. Seu último livro é The Last Earth: A Palestinian Story (Pluto Press, Londres, 2018). Ele ganhou um Ph.D. em Estudos da Palestina pela Universidade de Exeter e é um estudioso não residente no Orfalea Center for Global and International Studies, UCSB. 

 

Fonte: Ramzy Baroud, Counterpunch

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.