Domingo, 21 Abril 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Testemunhos de soldados do exército de ocupação israelense revelam assassinato deliberado de crianças em Gaza

Ex-soldados do exército de ocupação israelense revelaram na quinta-feira, 11 de agosto de 2022, como seus superiores permitem ataques aéreos em Gaza sabendo que civis, incluindo mulheres e crianças, serão mortos.

A revista israelense “ 972” publicou um relatório no qual oficiais do exército de ocupação israelense se gabavam da porcentagem de não-combatentes mortos na Faixa de Gaza.

 

Este relatório vem à luz quando “Israel” publica sua narrativa de que os civis mortos, especialmente crianças e mulheres, são apenas erros não intencionais durante a realização dos ataques com mísseis na Faixa de Gaza. Parece, no entanto, que o exército de ocupação israelense os matou deliberadamente, a pretexto de atingir um alvo, mesmo quando civis.

 

O site de notícias hebraico Ynet citou oficiais do exército que se gabavam de que a taxa de mortalidade entre “não-combatentes” e combatentes era “melhor do que em todas as operações anteriores”, pois Israel admite que matou pelo menos 11 pessoas não relacionadas às atividades dos militantes. Incluindo uma menina de cinco anos no último assalto.

 

O autor da reportagem explicou que o exército israelense admitiu ter atirado em pessoas desarmadas, segundo uma oficial que deu entrevista ao mesmo site com o qual a revista israelense colaborou.

 

Ela disse isso durante o último ataque: “Um membro da Jihad Islâmica desceu de sua casa e estava desarmado, mas abri fogo contra ele e, quando ele caiu, atirei mais”.

 

O site revela que a maioria dos israelenses acredita que quaisquer crianças ou famílias civis mortas em Gaza durante as operações militares israelenses estão sendo mortas involuntariamente, pois o pensamento é que as forças de ocupação israelenses não matam conscientemente os inocentes.

 

O relatório disse: “Essa racionalização permite que a sociedade israelense esqueça as cenas de derramamento de sangue e horror tirando da consciência centenas de crianças que foram mortas pelo exército de ocupação israelense em Gaza ao longo dos anos”.

 

O site enfatiza que a realidade é muito mais complexa do que isso, pois conversas com israelenses que serviram em várias unidades do corpo de inteligência israelense nos últimos meses revelam que durante suas operações militares, e em muitos casos, o exército sabe de antemão que o ataque matará civis desarmados.

 

Os depoimentos revelam que a decisão de matar civis não é por engano, mas sim uma decisão calculada e consciente. Ex-soldados testemunharam que seus superiores lhes haviam dito que o exército tinha permissão para matar um certo número de “não-combatentes” – isto é, famílias e crianças – no curso de atividades operacionais; Desde que esse limite não seja ultrapassado, a matança pode ser aprovada antecipadamente.

 

O site cita Dana, que usou um pseudônimo; Como todos os ex-soldados entrevistados neste artigo – uma professora de jardim de infância que mora em um apartamento mobiliado de madeira cheio de livros de filosofia no centro de Tel Aviv; Durante o serviço militar, ela participou do assassinato de uma criança de cinco anos em Gaza.

 

“Quando servi no departamento de Gaza, estávamos seguindo alguém do Hamas”, disse ela. “Porque o exército sabia que estava escondendo os mísseis e eles decidiram aniquilá-lo.”

 

O site informa que Dana trabalhava como analista de tráfego na sala de operações. Seu trabalho era confirmar que o míssil atingiu as pessoas certas.

 

“Enviamos um drone para seguir o homem para matá-lo, mas vimos que ele estava com o filho, que era um menino, acho que cinco ou seis anos”, disse ela. “Antes do assassinato; As informações de duas fontes diferentes devem ser consultadas para que saibamos que estamos matando o alvo certo, e eu disse ao comandante, que era tenente-coronel na época, que não consegui identificar totalmente o alvo, e pedi para não confirmar o disparo, mas ele disse: eu não me importo, e ele confirmou, e ele também estava certo, A mira estava correta, mas mataram o elemento militar do Hamas e o garotinho que estava ao lado dele.”

 

Segundo o site, Dana disse que estava em negação na época e continuou: “Os comandantes disseram que isso está de acordo com as regras e, portanto, é permitido. Tínhamos regras no exército sobre o número de não-combatentes autorizados a serem mortos em Gaza com os alvos autorizados a serem mortos.”

 

O site observou que vários outros funcionários do Corpo de Inteligência ecoaram as palavras de Dana; Como eles serviram no mesmo lugar durante as guerras anteriores em Gaza nos últimos anos.

 

O site, citando três deles, incluindo Dana, afirmou que na sequência de qualquer bombardeio israelense de Gaza em que palestinos são mortos; Os soldados são solicitados a monitorar as conversas telefônicas dos membros da família, para ouvir o momento em que eles contam uns aos outros que seu ente querido morreu.

 

Dana explicou; “Era outra maneira de verificar os mortos, uma maneira de garantir que a pessoa que queríamos estava morta, e esse era o trabalho dela depois que a criança de cinco anos foi morta; Ela diz: “Ouvi uma mulher dizer: ‘Ele morreu; A criança está morta”, e assim confirmei a conclusão da tarefa.

 

Outro soldado, que serviu em uma unidade de tecnologia na Intelligence Corps em 2019 disse; “Você controla todos os cruzamentos deles; Isso lhe dá muito poder, e se Gaza estiver conectada à Cisjordânia, você perde um pouco desse poder, mas hoje controlamos tudo o que entra e sai, seja físico ou eletrônico, ou em termos de pessoas, e isso permite mais formas de trabalhar.”

 

“Por exemplo, as pessoas em Gaza estão implorando para viajar para estudar no exterior ou visitar parentes fora da Faixa, e isso pode ser usado para transformá-los em colaboradores”, explicou.

 

O site informou que as informações pessoais coletadas pelos militares são usadas para recrutar colaboradores; Como Adam disse: “Não existe privacidade. Você sabe tudo sobre uma pessoa; o que eles gostam, o que eles filmaram [em seus telefones], se eles têm um amante, sua orientação sexual; Tudo está completamente exposto, e você pode coletar informações sobre quem quiser, e você sabe que essas pessoas não querem que você saiba dessas coisas.”

 

A revista concluiu com o que Shira, um soldado do Corpo de Inteligência, disse: “Senti que todos estávamos vivendo em uma versão do filme 'The Truman Show'.

 

Testimonies of Soldiers in Israeli Occupation Army Reveal Deliberate Killing of Children in Gaza - Days of Palestine

  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.