Domingo, 20 Outubro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Tortura administrativa: Heba al-Labadi livre, um cidadão jordaniano na prisão de Israel

Em 20 de agosto, Heba Ahmed al-Labadi caiu no buraco negro do sistema legal israelense, juntando-se a 413 prisioneiros palestinos que atualmente estão detidos na chamada detenção administrativa.

Em 26 de setembro, Heba e sete outros prisioneiros declararam uma greve de fome para protestar contra a detenção ilegal e as condições horríveis nas prisões israelenses. Entre os presos está Ahmed Ghannam, 42 anos, da vila de Dura, perto de Hebron, que iniciou sua greve de fome em 14 de julho.

A detenção administrativa é o processo legal de Israel quando simplesmente quer silenciar as vozes dos ativistas políticos palestinos, mas que ainda falta qualquer evidência concreta que possa ser apresentada em um tribunal militar aberto.

Não que os tribunais militares de Israel sejam um exemplo de justiça e transparência. De fato, quando se trata de palestinos, todo o sistema judicial israelense está distorcido. Mas a detenção administrativa é um nível totalmente novo de injustiça. 

A prática atual de detenção administrativa remonta aos Regulamentos de Defesa (Emergência) de 1945 emitidos pelas autoridades coloniais britânicas na Palestina para conter a dissidência política palestina. Israel alterou os regulamentos em 1979, renomeando-os para a Lei de Autoridade de Israel nos Estados de Emergência. A lei revisada foi usada para prender indefinidamente milhares de ativistas políticos palestinos durante a revolta palestina de 1987. A partir de então, palestinos são mantidos sob a prática ilegal.

O procedimento nega aos detidos qualquer processo devido e deixa de produzir evidências sobre os motivos pelos quais o prisioneiro – que muitas vezes é submetido a tortura severa e implacável – está nessa condição lastimável.

Heba, cidadã da Jordânia, foi detida na passagem de al-Karameh (Allenby Bridge), a caminho da Jordânia para a Cisjordânia, para assistir a um casamento na cidade palestina de Nablus.

Segundo a Rede de Solidariedade de Prisioneiros Palestinos Samidoun, Heba foi levada pela primeira vez no centro de detenção de inteligência de Israel em Petah Tikva, onde foi abusada e torturada fisicamente.

A tortura em Israel foi permitida por muitos anos e que durou até 1999, quando a Suprema Corte de Israel proibiu essa prática. No entanto, em 2019, o tribunal esclareceu que "a tortura interrogativa é lícita em certas circunstâncias no sistema legal do país". De qualquer forma, pouco mudou na prática antes ou depois do "esclarecimento" daquela corte.

Entrevistei nos últimos meses dezenas de prisioneiros palestinos e árabes. Será publicado um volume sobre a história da experiência nas prisões palestinas. Todos sofreram um processo prolongado de tortura durante o interrogatório inicial, que frequentemente foi prorrogado por meses. Se suas experiências foram diferentes, foi apenas na extensão e duração da tortura. Isso se aplica tanto aos detidos administrativos quanto aos chamados "prisioneiros de segurança".

Wafa Samir Ibrahim al-Bis, uma palestina do campo de refugiados de Jablaiya em Gaza, me contou sobre os anos em que esteve presa nas prisões israelenses. "Fui torturada por anos dentro da infame 'célula nove' da prisão de Ramleh, uma câmara de tortura que designaram para pessoas como eu", disse.

“Fui enforcado no teto e espancado. Eles colocaram uma bolsa preta na minha cabeça enquanto batiam e me interrogavam por muitos dias. Eu não conseguia dormir por dias seguidos. Eles me despiram e me deixaram assim por dias a fio. Eles não me permitiram encontrar um advogado ou até receber visitas da Cruz Vermelha".

Heba está agora perdido nesse mesmo sistema, que não tem remorso e não tem responsabilidade, nem em Israel nem em instituições internacionais cujo dever é desafiar esse tipo de violação flagrante das leis humanitárias.

Enquanto os maus tratos de Israel a todos os prisioneiros palestinos se aplicam igualmente, independentemente da facção, ideologia ou idade, o sexo do prisioneiro importa na medida em que o tipo de tortura ou humilhação usado. Muitas das prisioneiras com quem conversei explicaram como o tipo de maus tratos sofridos nas prisões israelenses geralmente pareciam envolver degradação e abuso sexual. Uma consiste em ter prisioneiras despidas diante dos interrogadores israelenses e permanecer nessa posição durante toda a duração do interrogatório torturante, que pode durar horas.

Khadija Khweis, da cidade de Al-Tour, adjacente à Cidade Velha de Jerusalém Oriental Ocupada, foi preso 18 vezes por Israel, por um período que varia de vários dias a várias semanas. Me disse que "no primeiro dia da minha chegada à prisão, os guardas me despiram completamente".

“Eles me procuraram de maneiras tão degradantes; Eu não posso nem anotá-las. Tudo o que posso dizer é que eles tentaram intencionalmente me privar do menor grau de dignidade humana. Essa prática, de decapagem e de buscas corporais degradantes, seria repetida toda vez que eu fosse retirada da minha cela e levada de volta”. 

Heba e todos os prisioneiros palestinos sofrem humilhação e abuso diariamente. Suas histórias não devem ser reduzidas a uma notícia ocasional ou um post de mídia social, mas se tornar a razão de todos os esforços de solidariedade que visam expor Israel, seu sistema judicial fraudulento e os tribunais de canguru.

A luta dos prisioneiros palestinos simboliza o esforço de todo o seu povo. Sua prisão é uma representação gritante desse sistema carcerário coletivo do povo palestino - aqueles que vivem sob ocupação e apartheid na Cisjordânia e aqueles sob ocupação e cerco em Gaza.

Israel deve ser responsabilizado por tudo isso. Grupos de direitos humanos e a comunidade internacional devem pressionar Israel a libertar Heba al-Labadi e todos os seus camaradas, ilegalmente mantidos em prisões israelenses.

 

Fonte: Ramzy Baroud, Middle East Monitor

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.