Quarta Feira, 05 Outubro 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Tribunal de Berlín considera que Deutsche Welle despediu ilegalmente a jornalista Farah Maraqa

A jornalista palestino jordaniana Farah Maraqa ganhou sua ação judicial contra a emissora pública alemã Deutsche Welle (DW), que demitiu a ela e a outros 6 jornalistas em fevereiro de 2022.

5 de setembro de 2022

Tribunal de Berlín considera que Deutsche Welle despediu ilegalmente a jornalista Farah Maraqa

 

COMUNICADO DE IMPRENSA - Centro Europeu de Apoio Jurídico (ELSC), Amsterdã e Berlim, 5 de setembro de 2022

 

A jornalista palestino jordaniana Farah Maraqa ganhou sua ação judicial contra a emissora pública alemã Deutsche Welle (DW), que demitiu a ela e a outros 6 jornalistas em fevereiro de 2022. 

 

Após uma audiência em 20 de julho de 2022, o Tribunal do Trabalho de Berlim decidiu hoje a favor de Farah Maraqa, ordenando à Deutsche Welle que a reintegrasse e pagasse as custas da disputa judicial. Isto sugere que o Tribunal reconheceu que a rescisão de Farah, baseada em uma investigação controvertida e em alegações infundadas de antisemitismo relacionadas a relatórios publicados antes de seu contrato de trabalho, era ilegal.

 

Isto ocorre após o juiz ter proposto um acordo entre a jornalista e a DW na forma de uma declaração conjunta. A DW nunca comentou nem respondeu à proposta de Farah Maraqa de uma declaração que incluísse um pedido de desculpas público, uma retração de suas alegações e a reabilitação de sua reputação.

 

É o segundo processo que a DW perde depois que eles rescindiram o contrato de 7 jornalistas de seu serviço árabe. Em 7 de julho de 2022, o Tribunal do Trabalho de Bonn considerou ilegal a demissão do jornalista palestino Maram Salem por parte da DW. Em outro caso, a DW resolveu e todos os casos restantes ainda estão pendentes.

As demissões foram presumivelmente baseadas em um controvertido relatório de investigação conduzido por Ahmad Mansour, que foi criticado por vários especialistas como tendencioso, e usou a definição de trabalho de antisemitismo do IHRA (IHRA-WDA) e seus exemplos problemáticos para avaliar os cargos e reportagens das mídias sociais como antisemitas. Isto manifesta um sentimento anti-Palestina e leva a um efeito assustador significativo sobre qualquer jornalista que cobriria a Palestina/Israel.

 

O ELSC se orgulha de ter dado apoio a Farah Maraqa que se manteve firme em suas convicções e teve a coragem de levar a DW à Corte.

 

"É um alívio que o juiz decidiu a favor de Farah e responsabilizou a Deutsche Welle por esta demissão ilegal". Esperamos que isto envie uma mensagem clara de que eles devem parar suas práticas de censura". Este caso ilustra como a institucionalização da IHRA-WDA pode levar a graves violações da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa. Ao mesmo tempo, é mais uma confirmação de que o recuo - inclusive através de ação legal - é eficaz e é uma necessidade para defender estes direitos", disse Giovanni Fassina, diretor do ELSC.

 

Até agora, parece que a direção da DW se recusou a reconhecer seus erros e, em vez disso, ancorou suas posições preconceituosas em um novo Código de Conduta publicado em 1º de setembro de 2022. O que é novo neste Código vinculante é que ele obriga os funcionários da DW a "manter a contenção no conteúdo e na forma de nossas mídias sociais e outras publicações, tanto no contexto profissional quanto no privado". Ele também menciona Israel duas vezes quando se refere a compromissos contra o racismo e o antisemitismo, inclusive: "Devido à história da Alemanha, temos uma obrigação especial em relação a Israel". Não está claro que obrigações esta declaração implica para os funcionários da DW, nem se significa apoio político inabalável ao governo israelense, o que levantaria questões importantes relacionadas com a independência da imprensa. O Código também adverte repetidamente os funcionários sobre possíveis conseqüências se qualquer violação do Código for observada, incluindo a demissão.

 

  • Gravatar - Post by
    postado por: Centro Europeu de Apoio Jurídico (ELSC)
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.