Segunda Feira, 19 Abril 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

'Trump está dando toda a Palestina para Israel como se fosse o dono'

“Não se deve dizer que é um acordo de paz, se não houver guerra ou fronteira entre os Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos) e Israel. Nem o Bahrein. De que paz eles estão falando?”, Questionou o embaixador palestino no Uruguai, Walid Abdel. -Rahim, sobre o reconhecimento do Estado hebraico por aqueles dois países do Golfo Pérsico.

Os EUA, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Israel assinaram os chamados "Acordos de Abraham" na Casa Branca. O que foi assinado com os Emirados Árabes Unidos é definido como um "tratado de paz", enquanto o que foi assinado com o Bahrein como uma "declaração de paz".

O presidente dos EUA, Donald Trump, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, o ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Abdulla bin Zayed Nahyan, e seu homólogo do Bahrein, Abdullatif bin Rashid Zayani, selaram os tratados durante uma cerimônia na sede do governo dos EUA.

Com essas novas relações diplomáticas, 30 países permanecem sem reconhecer Israel como nação, em conformidade com as resoluções históricas da ONU sobre a divisão da Palestina e a criação de dois estados: um judeu e outro árabe, com capital compartilhado em Jerusalém.

A maioria deles pertence à Liga Árabe ou à Organização para a Cooperação Islâmica, mas também há Cuba e Coréia do Norte, entre outros. As primeiras nações árabes a reconhecer Israel como um estado foram o Egito em 1979, dentro da estrutura do tratado de paz egípcio-israelense, e a Jordânia em 1994.

 

Uma terça-feira péssima

"Nosso povo considera este dia como 'péssimo' porque a Casa Branca, liderada por Trump, se tornou um porta-voz da ocupação israelense. Israel claramente se tornou uma fase militar avançada dos EUA", disse o diplomata palestino.

"Esta situação é muito perigosa porque ignora e viola o direito internacional, as resoluções da ONU", disse ele.

“A causa palestina é central para o mundo árabe, ela tem que ser resolvida para se conseguir a paz e os princípios para resolver esse problema estão bem estabelecidos nas resoluções do Conselho de Segurança da ONU, certo? Eles falam de paz, mas continuam a ocupação e a expansão sobre a Palestina ”, denunciou.

Questionado sobre a informação de que os acordos foram assinados com a condição de que Israel abandonasse os anúncios de anexar os territórios palestinos ocupados em parte da Cisjordânia, incluindo o Vale do Jordão, Rahim decidiu que "eles estão fora da realidade".

"O movimento dos colonos está se expandindo e Netanyahu falou claramente e disse que não se comprometeu a impedir a anexação. Até agora ele fez declarações de que os palestinos nunca terão seu Estado. Ele mesmo diz isso", disse ele.

Rahim disse que "Trump está usando todo o seu poder e influência sobre esses países para aceitar e normalizar suas relações com Israel, para se beneficiar nas eleições de novembro nos Estados Unidos."

 

"Sob a mesma bandeira"

Horas antes da assinatura em Washington, o primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mohamed Shtayeh, disse que o acordo "dá o golpe de misericórdia" à iniciativa de paz árabe de 2002, que afirmou que os estados árabes não eles reconheceriam Israel até o fim da ocupação e a criação de um estado palestino.

Por isso, o governo da ANP pediu a seu presidente, Mahmud Abbas, que reconsiderasse as relações com a entidade. "A Liga Árabe se tornou um símbolo da inação árabe", disse Shtayeh.

Rahim disse que a Palestina levou esta proposta à Liga Árabe, que no início do século havia estabelecido que "Israel deveria se retirar de nossos territórios e que o Estado palestino teria sua capital em Jerusalém. Então a paz pode ser estabelecida, mas sem ocupação".

“Enquanto houver ocupação, de que paz eles estão falando? O povo palestino leva muitos anos para ter seu objetivo, enquadrado no direito internacional e com todo o reconhecimento dos países do mundo para ter sua liberdade”, observou.

Nesse contexto, o embaixador palestino no Uruguai convocou "todo o povo palestino, onde quer que esteja, e todos os povos amantes da paz, a se manifestarem contra esta posição e a favor da causa palestina, levantando a bandeira".

“O povo palestino continuará sua luta e se unirá mais do que nunca sob uma única bandeira: a Palestina. Continuaremos lutando até atingirmos o objetivo, até termos uma paz justa e duradoura no Oriente Médio”, disse ele. 

 

Fonte: Sputnik

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.