Terça Feira, 29 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Trump - Netanyahu: repressão em vez de solução para os mesmos males

Trump se mobilizou a tempo de Netanyahu, um de seus principais aliados internacionais. Para ambos, repressão, racismo, militarismo e a lei da selva e atropelar a ilegalidade internacional são algo que compartilham e praticam.

Por Arnaldo Musa

 

Forças especializadas na repressão assistem impassíveis aos ataques de grupos racistas contra manifestantes que reivindicam seus direitos e protestam contra a violência desenfreada, a má administração da pandemia do COVID-19, que causa estragos na população com menos recursos e alto desemprego.

 

Esse cenário ocorre nos Estados Unidos e em Israel, com a adição de que o presidente estadunidense Donald Trump manobra para tornar fraudulentas as próximas eleições de novembro, a fim de buscar a reeleição, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, quem se torna eterno no poder, tenta evitar pelo menos três processos judiciais nos quais é acusado de corrupção.

 

Trump se mobilizou a tempo de Netanyahu, um de seus principais aliados internacionais, enquanto o Secretário de Estado Mike Pompeo destacou esse apoio, assim como fez durante a campanha eleitoral mais recente.

 

Assim como Trump exerceu seu "plano de paz" contra o povo palestino e destacou seu apoio à decisão sionista de anexar a Cisjordânia - que viola as resoluções da ONU -, também o fez com o reconhecimento da soberania de Israel sobre as montanhas de Golã, território sírio ocupado pelo exército hebraico desde 1967. Foi o elogio que Netanyahu esperava receber de Trump, e ele fez com que Pompeo soubesse:

 

"Se Israel não estivesse em Golã, teríamos o Irã nas margens do mar da Galileia. Chegou a hora da comunidade internacional reconhecer a presença de Israel em Golã e o fato de sempre fazer parte do seu Estado ”.

 

Netanyahu reconheceu com satisfação que a aliança entre os dois países "nunca foi tão forte". "O presidente Trump concordou no reconhecimento histórico de Jerusalém como capital de Israel e na transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém", enfatizou o presidente, duas decisões da Casa Branca que quebraram o consenso internacional estabelecido por sete décadas para integrar a estatuto final da Cidade Santa em um acordo final de paz entre israelenses e palestinos, um acordo que eles não aceitam.

 

PARA UMA OTAN ÁRABE

O regime sionista apoiou o plano dos EUA de criar uma espécie de OTAN árabe - nunca contra Tel Aviv - para combater o Irã, e apreciou os US $ 3,3 bilhões que recebe anualmente em pelo menos ajuda militar.

 

Ao usar o clube contra os protestos populares cada vez mais numerosos e combativos, Netanyahu defende e faz lobby para conter fatores políticos tão de direita quanto seu Likud ou supostos esquerdistas do centro para se apegar ao poder.

 

Assim, ele fortalece o campo da extrema direita onde estão seus potenciais aliados e, para isso, assegurou que uma facção vergonhosa da militância política do país, composta por membros de um grupo chamado Otzmá Yehudit, agora ingressasse na carreira política, depois de anos sendo considerado uma corrente ilícita.

 

Isso ocorre porque apoia uma ideologia herdada do rabino extremista Meir Kahane, explicitamente xenófobo, racista, anti-árabe, supremacista e violento, a ponto de não excluir o terrorismo como método de luta. De fato, a linha Kahanist está na lista do governo estadunidense como terrorista.

 

Em resumo, e usando uma analogia com intenção didática, é algo muito semelhante ao fato de que membros da organização racista Ku Klux Klan poderiam concorrer nas eleições e, eventualmente, tornar-se congressistas ou até ministros.

 

Obviamente, Trump não interferirá nesse assunto e dará a Netanyahu sua bênção, sem se importar que contribua para a proliferação e multiplicação de correntes racistas, ataques a quem parece diferente, exclusões por razões étnicas, religiosas ou culturais e, também, é claro, o anti-semitismo que está atingindo níveis alarmantes na Europa.

 

Fonte: Cubasi.cu

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.