Quarta Feira, 05 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Um policial, um pastor e um palestino: chilestinos são modelo para a unidade palestina

Só fui apresentado ao termo “chilestinos” em fevereiro passado em uma conferência em Istambul, durante uma apresentação do diretor da Federação Palestina do Chile, Anuar Majluf.

Quando Majluf se referiu à comunidade palestina bem enraizada no Chile, que conta entre 450 mil e meio milhão de pessoas, usando essa frase desconhecida e peculiar, sorri. Outros também.

É muito raro que uma conferência sobre a Palestina, em qualquer lugar, inclua uma atmosfera otimista como a apresentada pelo líder chileno-palestino, já que o discurso atual sobre a Palestina é saturado com um sentimento cada vez maior de fracasso político, desunião e traição.

Digo ‘chileno-palestino’ por uma questão de conveniência, porque, mais tarde, percebi que o termo ‘chilestinos’ não era cunhado ao acaso ou de brincadeira.

A Dra. Lina Meruane, uma estudiosa chilena de descendência palestina, disse a Bahira Amin, da revista on-line ‘Scene Arabia’, que o termo ‘chilestinos’ é diferente de ‘chileno-palestinos’ no sentido de que é uma demarcação de uma identidade única.

“Não é uma identidade hifenizada, mas a fusão de duas identidades que pertencem uma à outra e não têm problemas em pertencer uma à outra”, disse Meruane. Amin se refere a este como um ‘terceiro espaço’ que foi criado na diáspora, ao longo de 150 anos.

Pode ser uma surpresa para aqueles que não estão familiarizados com a experiência palestina no Chile conhecer o velho ditado: “para cada vila no Chile você encontrará três coisas: um policial, um pastor e um palestino”. Mas o ditado, de fato, expressa um vínculo histórico entre a Palestina e um país localizado na extrema costa sudoeste da América do Sul.

A imensa distância – mais de 13.000 quilômetros – entre Jerusalém e Santiago, pode, em parte, explicar a razão pela qual o Chile e sua grande população “chilestina” não ocuparam seu merecido status na imaginação coletiva dos palestinos em todo lugar.

Mas há outras razões também, entre elas o fato de sucessivas lideranças palestinas terem falhado em apreciar completamente o imenso potencial das comunidades palestinas na diáspora, especialmente os palestinos do Chile. A história deste último caso não é apenas a de luta e perseverança, mas também de grande sucesso e contribuições vitais para sua própria sociedade e para a causa palestina.

A partir do final da década de 1970, a liderança da Palestina trabalhou para se envolver politicamente com Washington e outras capitais ocidentais, culminando no sentido penetrante de que, sem a validação política dos EUA, os palestinos permaneceriam sempre marginais e irrelevantes.

O cálculo palestino mostrou-se desastroso. Depois de décadas atendendo às expectativas e ditames de Washington, a liderança palestina voltou de mãos vazias, como o ‘Acordo do Século’ do governo Donald Trump finalmente provou.

As decisões políticas também têm repercussões culturais. Por pelo menos três décadas, os palestinos se reorientaram política e culturalmente, repudiando seus aliados históricos no hemisfério sul, como um todo. Pior, o novo pensamento ampliou os abismos entre palestinos na Palestina e seus próprios irmãos, como comunidades palestinas na América do Sul que mantinham forte sua identidade, idioma, música e amor por sua terra natal ancestral.

Dia de Nakba 1948 – Cartum [Carlos Latuff / Monitor do Oriente Médio]

O que há de tão único nos palestinos no Chile e em outras comunidades palestinas na América do Sul é que suas raízes remontam décadas antes da destruição da Palestina e do estabelecimento de Israel em suas ruínas em 1948.

Israel frequentemente afirma que suas vítimas palestinas não tinham uma identidade nacional no sentido moderno. Alguns estudiosos, às vezes bem-intencionados, concordam, alegando que uma identidade palestina moderna foi amplamente articulada após a Nakba – a destruição “catastrófica” da Palestina histórica.

Aqueles que ainda estão presos a essa distorção histórica devem se apresentar a historiadores palestinos como Nur Mashala e seu livro de leitura obrigatória “Palestina: uma história de quatro mil anos”.

Os “chilestinos” oferecem um exemplo real da verdadeira força da identidade coletiva palestina que existia antes que o próprio Israel fosse violentamente imposto no mapa palestino.

O “Deportivo Palestino”, um importante clube de futebol que joga na primeira divisão do Chile, foi estabelecido informalmente em 1916 e, oficialmente, quatro anos depois. Aprendi com a delegação ‘chilestina’ em Istambul que os fundadores da comunidade palestina naquele país criaram o ‘Palestino’ para garantir que seus filhos nunca esqueçam o nome e que continuam cantando o nome da Palestina por muitos anos.

O clube de futebol – conhecido como “segundo time nacional de futebol” da Palestina – em breve celebrará seu aniversário de cem anos, uma celebração que provavelmente ocorrerá em meio ao canto predominante de ‘Gaza resiste; Palestina existe ‘.

O estádio La Cisterna do Palestino, em Santiago, um imponente edifício decorado com bandeiras palestinas, não é apenas um testemunho da tenacidade da identidade palestina, mas também da generosidade da cultura palestina, já que o estádio é um dos maiores centros comunitários da cidade, atraindo pessoas de todos os lugares, juntas em uma celebração contínua de tudo o que temos em comum.

Para evitar qualquer entendimento reducionista da experiência palestina no Chile e em toda a América do Sul, devemos aceitar que, como qualquer outra sociedade, os palestinos tenham suas próprias divisões, que geralmente são motivadas por riqueza, classe e política.

Essa divisão atingiu seu auge durante o golpe do ditador chileno apoiado pelos EUA, Augusto Pinochet, em 1973. Mas a brecha não durou muito, pois os ‘chilestinos’ se uniram mais uma vez após o massacre de Sabra e Shatila, no sul do Líbano, engendrado por Israel, em 1982.

O ex-ditador chileno Augusto Pinochet [Wikipedia]

Desde então, a comunidade palestina do Chile aprendeu a aceitar suas diferenças políticas, ao concordar que seu relacionamento com a Palestina deve ser o seu ponto comum unificador. Há anos, os ‘chilestinos’ estão trabalhando lado a lado com outras comunidades palestinas na América do Sul para acentuar a necessidade de unidade, distanciando-se da desarmonia política e do faccionalismo que causou estragos na identidade política palestina na própria Palestina.

Lentamente, os palestinos da América do Sul estão voltando a ocupar o centro do palco no grande fluxo palestino, não apenas como parte integrante da identidade coletiva palestina, mas também como um modelo que deve ser totalmente compreendido e até emulado.

Não passa um dia sem que eu verifique meu aplicativo de esportes para acompanhar o progresso do “Deportivo Palestino”. Sei que muitos palestinos em outras partes do mundo fazem o mesmo, porque, apesar da distância, idioma e diferença de tempo, em última análise, sempre permaneceremos um povo.

 

Fonte: Ramzy Baroud, Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.