Domingo, 27 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

'Uma armadilha': Oslo, Jerusalém e a porta para a normalização árabe

No 27º aniversário dos Acordos de Oslo, os palestinos temem que o acordo lhes tenha custado caro.

No gramado da Casa Branca em 13 de setembro de 1993, os Acordos de Oslo foram assinados e celebrados como um passo em direção à paz. No dia de seu aniversário, 27 anos depois, os palestinos em Jerusalém lamentam que o status de sua cidade nunca foi estabelecido - e agora está ameaçado.

Os acordos, assinados do lado palestino pelo atual presidente Mahmoud Abbas, atrasaram várias "negociações de status final" em algumas das questões mais importantes como fronteiras, refugiados, assentamentos e Jerusalém.

Muito além do período de transição de cinco anos estabelecido no acordo, analistas palestinos agora têm certeza de que o status da cidade não deveria ter sido arriscado, com seus ex-aliados árabes agora fechando acordos com Israel que os privam de uma das poucas ferramentas diplomáticas restantes para eles.

Hatem Abdel Qader, ex-ministro de Jerusalém na Autoridade Palestina (AP) estabelecida sob os acordos, disse ao Middle East Eye que acredita que os palestinos caíram em uma armadilha que permitiu a Israel estabelecer mais controle sobre Jerusalém e, no final das contas, deixou a porta aberta para os EUA O presidente Donald Trump deve mudar a política de seu país e reconhecer a cidade como a capital de Israel.

“Apressou-se em impor uma nova realidade. A cidade desde então testemunhou muitas mudanças nos níveis geográfico, político, institucional, demográfico e religioso”, disse ele.

Após o estabelecimento da AP, com sede em Ramallah, Jerusalém perdeu sua identidade como cidade árabe, argumenta Abdel Qader, apontando para o fechamento por parte das autoridades israelenses de várias instituições palestinas, incluindo o edifício da Casa do Oriente, que havia sido político, centro social e econômico para palestinos na cidade.

Ele acusou Israel de tirar vantagem da falta de status de assentamento convertendo grandes partes da cidade em assentamentos, alegando que aumentaram 500 por cento desde Oslo.

 

'Tudo começou depois de Oslo'

Os acordos recentes de Israel com os Emirados Árabes Unidos e Bahrein, formalizando relações que antes haviam sido retidas sob a condição de um acordo de paz, "tudo começou depois de Oslo", segundo o oficial israelense encarregado das ligações não oficiais de Israel com os países árabes.

Eliav Benjamin, do Ministério das Relações Exteriores, disse ao jornal israelense Haaretz que o então ministro das Relações Exteriores Shimon Peres, que assinou o acordo com Abbas, voltou dizendo-lhes para se prepararem para abrir as portas para o mundo árabe.

A normalização com os Emirados Árabes Unidos então começou "lenta e silenciosamente", incluindo o estabelecimento de contato direto com Abu Dhabi.

Abdel Qader acredita o mesmo, que Oslo abriu caminho para que alguns países árabes vissem a normalização com Israel como sendo de seus interesses, particularmente porque os árabes não foram consultados sobre o acordo.

Parte da delegação negociadora palestina em Madrid e Washington, Abdel Qader disse que "não sabia" que a Organização para a Libertação da Palestina "abriu outro canal em Oslo".

“Nós, também, a delegação palestina designada em nome da OLP, ficamos surpresos com este acordo”, disse ao MEE.

 

'Não há paz sem uma solução radical'

A própria Jerusalém mudou, de acordo com Mansour Nsasra, professor de ciência política e relações internacionais na Universidade Ben Gurion de Negev e na Universidade Exeter, no Reino Unido.

Dois anos atrás, no 25º aniversário de Oslo, Nsasra passou um tempo mapeando essas mudanças na cidade e descobriu que a alteração de marcos religiosos, o número de colonos em Jerusalém Oriental e o aumento das restrições aos palestinos na cidade foram usados para fazer a cidade parece ter um caráter mais israelense, para se encaixar mais na ideia de um estado judeu.

Hoje, ele descreve Jerusalém como uma ilha isolada dos palestinos por causa das políticas israelenses que os isolam fisicamente da cidade, prendendo dezenas de milhares de residentes tradicionais atrás de seu muro de separação.

Nsasra disse que o acordo dos Emirados Árabes Unidos é o produto de políticas desde os anos 1980 de apoio econômico aos palestinos, e com vários projetos, ao mesmo tempo em que estabelece relações econômicas com Israel.

Os sinais de normalização já existem há algum tempo, disse ele, inclusive quando os Emirados Árabes Unidos e Bahrein participaram da corrida de ciclismo Giro d'Italia 2018 em Jersualem.

Nsasra disse que os Emirados Árabes Unidos podem ter tentado retratar o acordo como sendo do interesse de Jerusalém e da Mesquita de Al-Aqsa, mas na realidade eles não têm influência sobre Israel.

“Não devemos dar a Abu Dhabi maior atenção a esta questão do que seu tamanho garantido, já que está interessada apenas em seus interesses econômicos e comerciais”, disse ele.

 

'Propaganda eleitoral'

O acordo Emirados Árabes Unidos-Israel não trará paz regional, continuou Nsasra, porque, sem uma solução radical para a questão palestina, não haverá paz nem estabilidade na região.

"A paz econômica na região não se traduzirá em paz política regional", disse ele.

"Em vez disso, é parte do negócio do século e da propaganda eleitoral do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e do presidente dos Estados Unidos Donald Trump, já que ambos estão em apuros."

São os palestinos de Jerusalém, diz Nsasra, que realmente protegerão seus próprios interesses e decidirão o destino da cidade.

Eles já mostraram que podem reagir aos desafios ao status da cidade, especialmente em seus locais sagrados, quando protestos em massa derrotaram as tentativas de instalar detectores de metal nos portões de Al-Aqsa em 2017, e dentro da mesquita no espaço de oração de Bab al-Rahma que Israel tentou fechar em 2019.

A Casa Branca vai sediar novamente na terça-feira uma assinatura dos líderes de Israel, Emirados Árabes Unidos e Bahrein, mas desta vez, os palestinos não estarão presentes.

 

Fonte: Middle East Eye

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.