Sábado, 16 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Uma família de Jerusalém resiste aos ataques israelenses

As forças israelenses não apenas visam a família palestina de Abo Romoz, prendendo seus membros e deportando-os, mas também impuseram altos impostos. Eles também procuram roubar suas terras, que ficam no sul da mesquita Al-Aqsa, deslocando-os à força.

Ontem, a família Abo Romoz recebeu uma decisão judicial pedindo-lhes para evacuar sua casa em Jabal Batin Al-Hawa, e vender para uma associação de assentamento.

A cidade de Silwan é um dos bairros mais Jerusalemitas visados pelas associações de assentamentos por ser o protetor sul da mesquita Al-Aqsa e sua primeira linha de defesa contra os ataques israelenses.

A família mora em Jabal Batin Al-Hawa há mais de 60 anos, resistindo ao assédio israelense e às tentativas de demiti-lo.

 

Detalhes da decisão

“Fomos surpreendidos ontem depois de receber uma decisão judicial final do tribunal israelense pedindo que evacuássemos a casa o mais rápido possível para o bem dos colonos, apesar do fato de minha família ter os documentos oficiais que comprovam a propriedade da casa”, disse Jawad Abo Romoz.

Ele ressaltou que a decisão de evacuação havia sido emitida desde 2016, sem nos ter informado.

“Embora sejamos os tomadores de decisão, ficamos surpresos. É uma decisão injusta, porque as autoridades israelenses procuram nos deslocar de nossa cidade e de nossa terra ”, acrescentou.

O tribunal israelense impôs multas familiares de 7.000 NIS.

Jawad mencionou que sua família está se dirigindo ao advogado para apresentar um objeto urgente contra a decisão de evacuação para o tribunal central israelense em Jerusalém, rejeitando a alegação israelense de propriedade da casa.

A família de Abo Romoz caiu dentro do plano da associação de assentamentos extremistas "Ateret Cohanim", que visa ocupar 5 dunums e 200 metros quadrados do bairro do meio em Jerusalém, argumentando que sua propriedade refere-se aos judeus desde 1881.

“Nem mesmo minha casa conseguiu escapar dos ataques israelenses no distrito de Bostan, nos quais recebi uma decisão administrativa de demolição, argumentando que não era autorizada, e impôs multas de 75.000 NIS por violações de construção e outras multas de 30.000 NIS”, Jawad Abo Romoz afirmou.

“As forças israelenses lutam contra nós de todas as maneiras em Jerusalém. Eles trabalham para nos drenar economicamente, socialmente e educacionalmente, para nos obrigar a partir, mas não deixaremos nossos avôs e pais, e lutaremos por eles por todos os meios legais.

A associação Ateret Cohanim usa a lei israelense emitida em 1970 para ocupar casas palestinas em Jerusalém. Em contrapartida, os palestinos estão privados de recuperar sua propriedade de que dispõem seus documentos oficiais no oeste da cidade.

A associação recebe apoio financeiro de extremistas israelenses e apoio político do governo israelense para atingir seu objetivo de abrigar um grande número de colonos nas casas de palestinos na cidade.

 

Procedimentos legais

“87 casas em Jabal Batin Al-Hawa estão ameaçadas de evacuação a qualquer momento, porque as decisões emitidas pelos tribunais israelenses aumentam continuamente”, disse Zuhair Al-Ragbi, membro do comitê de defesa.

“Começamos a entrar com os trâmites judiciais no tribunal israelense e entregamos aos advogados o processo de evacuação da família”, acrescentou.

Fonte: Safa

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.