Domingo, 28 Fevereiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

União Africana derruba ocupação israelense da Palestina na 34ª Cúpula

Na 34ª Cúpula da União Africana (UA), realizada praticamente no fim de semana, os líderes africanos reafirmaram o apoio do continente à luta palestina contra a ocupação israelense e condenaram veementemente a violência de Israel contra os palestinos; sua construção de assentamentos ilegais; e tentativas de colonizar Jerusalém Oriental.

Em uma repreensão contundente que foi emitida na declaração final da Cúpula no domingo, a União Africana confirmou a ilegalidade de todos os assentamentos israelenses na Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Colinas do Golã na Síria, enfatizando que os assentamentos de Israel constituem graves violações do direito internacional e das Nações Unidas relevantes resoluções.

 

Em um apelo amplamente direcionado ao Malaui, a União Africana também pediu aos seus membros que preservassem o status legal de Jerusalém Oriental como a capital do futuro estado palestino, e se abstenham de quaisquer ações que prejudiquem o status legal da cidade, especialmente movendo embaixadas para Jerusalém. Em novembro, a administração de Lazarus Chakwera no Malaui anunciou a intenção do país de estabelecer sua embaixada em Jerusalém. Os líderes africanos na Cimeira da União Africana sublinharam que quaisquer medidas tomadas por Israel - como potência ocupante - para colonizar a cidade de Jerusalém, incluindo a imposição das suas leis, jurisdição e administração, são ilegais.

 

O uso militar israelense de força letal, ilegal e excessiva contra civis palestinos também foi destacado, com a União Africana pedindo a responsabilização por esses atos ilegais, bem como pelas ações cometidas por colonos israelenses nos Territórios Palestinos Ocupados (OPT).

 

A declaração da União Africana argumenta que, como potência ocupante, Israel é totalmente responsável por atos de violência cometidos contra civis palestinos e suas propriedades.

 

A União Africana afirma que trabalhará com outros atores internacionais para garantir a criação de um Estado Palestino dentro das fronteiras de 4 de junho de 1967 com Jerusalém Oriental como sua capital.

 

Falando de Ramallah, o Ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riyad al-Maliki, saudou a declaração forte e abrangente da União Africana sobre a ocupação de Israel e seu apoio à criação de um Estado Palestino baseado nas fronteiras de 1967. “Apreciamos profundamente a solidariedade africana pela causa palestina”, disse o embaixador palestino na África do Sul, Hanan Jarrar.

 

Grupos de solidariedade à Palestina em todo o continente também saudaram as fortes declarações da União Africana, e os ativistas esperavam que as palavras fortes encorajassem os países africanos individuais a pressionar Israel a encerrar sua ocupação da Palestina, que agora entrou em seu 54º ano.

 

O governo israelense não reagiu à declaração da União Africana. No entanto, a forte condenação dos membros da União Africana é um golpe para os esforços de Israel para obter o status de observador na União Africana, disse o escritor sul-africano Suraya Dadoo. “Durante anos, Israel vem tentando obter o status de observador na União Africana para que possa influenciar a relação da África com a Palestina. O objetivo final é dissolver a solidariedade africana com a Palestina ”, diz Dadoo.

 

Fonte: Afro-Palestine Newswire Service

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.