Segunda Feira, 19 Abril 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Vivendo com câncer e protegendo-se da cobiça em uma Gaza superpovoada sob bloqueio israelense

O câncer é a segunda causa de morte mais comum no Território Ocupado da Palestina, Cisjordânia e Gaza. Pacientes com câncer em Gaza enfrentam um destino desconhecido em função do fechamento das passagens de fronteira e da complexa crise do bloqueio, agora agravada pela COVID19.

Por Haneen Harara

 

A pandemia do coronavírus castiga severamente os portadores de outras enfermidades que, por falta de recursos, aguardam a evolução de suas doenças sem os devidos acompanhamentos e tratamentos. Em Gaza, existem atualmente 16.000 casos de pessoas diagnosticadas com câncer, em um lugar onde as pessoas mais afetadas não têm acesso a um tratamento adequado. A esperança deles reside no desconhecido de obter uma licença que lhes permita deixar o território de Gaza e ser tratados. Agora, enfrentam um destino desconhecido diante do fechamento das passagens de fronteira e da complexa crise do bloqueio, exacerbada pela COVID19.

 

Yaqout Abu al-Asal, 30, refugiada da Palestina, é mãe de uma criança e mora na aldeia beduína no extremo norte da Faixa de Gaza. Yagout sofre de câncer na medula espinhal e está convivendo com complicações graves devido à falta de fornecimento mensal de sua medicação.

 

Pacientes com câncer como Yaqout devem ser transferidos para hospitais na Cisjordânia, Jerusalém Oriental, Jordânia, Israel e Egito. Devido ao bloqueio que sofre a Faixa de Gaza desde 2007, os hospitais de Gaza não estão preparados ou equipados, não há uma única unidade de radioterapia ou sistema de PET-CT. Para ter acesso ao tratamento, eles precisam passar por Israel com uma permissão de entrada, um desafio burocrático que os pacientes nem sempre podem superar. Às vezes, quando eles conseguem um desses passes, é tarde demais; a consulta médica passou ou o câncer se espalhou.

 

Nos últimos meses, a vida dos pacientes com câncer na Faixa tornou-se mais difícil do que nunca. Novas dificuldades estão agravando a já existente dificuldade de obter uma licença israelense: a disseminação do coronavírus, que os torna pessoas risco e exige que todos aqueles que saem de Gaza para tratamento na Cisjordânia e passa por Israel precisam que entrem em um período de isolamento de três semanas quando voltam para casa, tempo que nem sempre está disponível para esses tipos de pacientes, que muitas vezes precisam de mais tratamento nos centros de saúde; as restrições adicionais impostas para retardar a propagação do vírus; e pior ainda, o 'fim da coordenação entre a Autoridade Palestina e Israel para a obtenção de licenças.

 

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, antes de março em Gaza havia mais de 1.750 pedidos de autorização por mês, número que caiu durante o primeiro surto de COVID19. É a segunda causa de morte mais comum no Território Palestino Ocupado, Cisjordânia e Gaza. Quase um terço dos pedidos citados eram de pacientes com câncer, como Yagout, cujos médicos enfatizaram que perder a dose do tratamento coloca sua mobilidade e vida em risco. A jovem pediu às autoridades competentes que lhe prestassem o tratamento necessário para salvá-la do perigo de morte.

 

Pacientes com outras doenças também sofrem as consequências da falta de tratamento em Gaza. Imad Abed tem 65 anos, oito filhos e uma doença neurológica que atinge as vértebras da coluna, o que afeta sua mobilidade e o desempenho de suas tarefas diárias. `` Tudo começou como resultado de um ferimento na ofensiva militar israelense em Gaza em 2014. Então eu fiz uma operação cirúrgica em Jerusalém, voltando em melhores condições, mas infelizmente hoje minha saúde piorou muito '', diz ele. Imad precisa de uma nova intervenção. Realizar isso em Gaza é perigoso e tem uma taxa de sucesso muito baixa. Seu médico recomenda repetir a primeira intervenção com o mesmo médico que a realizou em 2014.

 

Imad e Yagout enfrentam um destino desconhecido à luz do fechamento das passagens de fronteira e da complexa crise do bloqueio, agora agravada pelo coronavírus. Eles têm a determinação de desafiar a doença e se recuperar, mas essa coragem não basta por si só, eles precisam de acompanhamento médico e receber o tratamento necessário para superá-la.

 

Diante da falta de capacidade dos hospitais e das terríveis consequências da expansão do COVID19, em uma sociedade em que os casos aumentaram 80,5% no último mês, o diretor de operações da Agência das Nações Unidas Unidos pelos Refugiados da Palestina, UNRWA, na Faixa de Gaza, Matthias Schmale, pediu o levantamento do bloqueio imposto, enfatizando a necessidade de fornecer respiradores artificiais e equipamentos médicos e preventivos. Esta é uma situação muito preocupante em um enclave que também enfrenta a escassez de água e uma das maiores densidades populacionais do mundo.

 

Fonte: eldiario.es

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.