Sexta Feira, 19 Abril 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

"Vocês pagarão o preço": Shin Bet ameaça os diretores de ONGs palestinas

Sem se deixar intimidar pelas críticas estrangeiras, Israel adverte os chefes de dois grupos de direitos humanos sobre prisão e acusação dias depois de invadir seus escritórios.

No domingo, o Shin Bet, serviço de segurança interna de Israel, fez chamadas ameaçadoras e convocou para interrogatório os chefes de duas ONGs palestinas cujos escritórios foram invadidos pelo exército israelense na Cisjordânia ocupada na semana passada.

 

Khaled Quzmar, diretor da ONG Defense for Children International-Palestine (DCI-P), foi avisado por agentes do Shin Bet durante seu interrogatório que qualquer trabalho que ele faça dentro da organização a partir de agora será considerado ilegal e poderá resultar em ações legais contra ele. Shawan Jabarin, diretor da Al-Haq, foi avisado por telefone que era "membro de uma organização terrorista", e que "pagaria o preço" se continuasse suas atividades na organização; Jabarin ainda não apareceu para interrogatório.

 

Em outubro passado, o Ministro da Defesa israelense Benny Gantz declarou que estas duas organizações juntamente com outras quatro - Addameer, Bisan Center, União dos Comitês de Obras Agrícolas (UAWC), e União dos Comitês de Mulheres Palestinas (UPWC) - são "organizações terroristas". Israel as acusa de servir como "armas" da Frente Popular de Libertação da Palestina (PFLP), um partido político marxista-leninista com uma ala militar, mas não forneceu nenhuma prova séria ao público e a governos estrangeiros que justificassem suas reivindicações.

 

Até a semana passada, as autoridades israelenses não haviam tomado grandes medidas contra o pessoal dessas organizações, exceto por bloquear os diretores de Addameer e Bisan de viajar para o exterior há alguns meses. Mas antes do amanhecer de quinta-feira, o exército invadiu os escritórios de Ramallah das seis organizações e mais uma sétima, os Comitês de Trabalho em Saúde, que foram proibidos em 2020. As forças israelenses confiscaram equipamentos, soldaram as portas dos escritórios e deixaram ordens militares declarando ilegais as organizações.

 

A escalada contra as ONGs palestinas acontece cerca de um mês depois que nove países europeus reafirmaram publicamente sua rejeição das alegações de Israel, dizendo que não são apoiadas por provas substanciais, e que continuariam a apoiar financeiramente e a trabalhar com as organizações. Na noite de quinta-feira, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, afirmou de forma semelhante que as informações fornecidas por Israel não "nos levaram a mudar nossa posição". Na segunda-feira, também foi revelado pelo The Guardian que a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) não conseguiu corroborar as alegações de Israel de ligações com o terrorismo. 

 

Ao emitir seus avisos e convocar os diretores para uma investigação, Israel demonstrou que não foi influenciado ou dissuadido pelas palavras de preocupação e apoio que as organizações receberam de diplomatas estrangeiros e altos funcionários da Autoridade Palestina após as batidas da semana passada, e sinalizou que não tem intenção de parar sua repressão. 

 

“Este é seu último aviso” 

Ao meio-dia de domingo, Quzmar da DCI-P recebeu uma chamada telefônica convocando-o imediatamente para as instalações militares da Ofer, perto de Ramallah. Quando ele chegou, seus advogados foram impedidos de entrar com ele. Quzmar disse que após esperar duas horas em uma pequena sala, ele foi levado para outra sala para ser interrogado.

 

"O interrogador abriu um computador e me fez perguntas técnicas e pessoais sobre minha família", disse Quzmar ao 972. "Depois disso, ele fechou o computador e disse: 'Olhe, eu só o convidei para informá-lo, caso não saiba, que foi decidido que sua organização é ilegal, e que de agora em diante, seu trabalho na organização - dentro ou fora do país - será motivo de ações legais contra você'".

 

Quzmar perguntou ao investigador se havia alguma evidência contra sua organização. "Eu lhes disse que se tivessem provas, eles me processariam em um tribunal militar". Mas seu caso [contra as organizações] está cheio de mentiras, e ninguém aceitou suas reivindicações. Eu conheço bem minha organização, trabalho lá desde 1995. Nunca infringimos a lei ou usamos mal os fundos. Não temos nenhuma conexão com outras organizações, exceto com grupos de direitos humanos".

 

De acordo com Quzmar, o interrogador respondeu: "Esta é a informação que eu tenho, e este é seu último aviso. Cabe a você decidir o que fazer".

 

A conversa durou apenas 15 minutos, e Quzmar foi liberado sem condições. "A mensagem foi clara: não se envolver em nenhuma atividade com a organização. Agora vou consultar nossos advogados sobre como agir", disse Quzmar.

 

Jabarin da Al-Haq recebeu uma chamada semelhante ao mesmo tempo que Quzmar, mas ele não foi para as instalações militares. Ele disse ao 972 que continuará seu trabalho como de costume: "Vamos abrir e trabalhar a partir do escritório. Eles podem fazer o que quiserem". Nós não respeitamos as ordens militares. Somos uma organização civil, registrada junto à Autoridade Palestina".

 

Jabarin recontou a ameaça que recebeu. "Pensei que fosse um jornalista, então respondi. A pessoa na linha se identificou como 'Fahad' do Shin Bet em Ofer. Ele disse que queria me interrogar lá, para não ir à minha casa. Eu disse a ele que não era a forma legal e que ele deveria vir de forma oficial".

 

Fahad então disse: "'Olhe, Shawan, se você continuar seu trabalho em uma organização que foi declarada por decreto militar como sendo uma organização terrorista, então você é um membro do PFLP, você está ativo lá'". Jabarin disse a Fahad que "isto são mentiras, que ele é um mentiroso e que seu país é um mentiroso". Eu não tenho conexão com o PFLP".

 

O oficial Shin Bet, Jabarin continuou, então disse: "'Se você continuar, você pagará o preço, pessoalmente'. Perguntei-lhe se isso era uma ameaça e ele respondeu: "Sim. Investigação, prisão ou outras medidas". Eu me zanguei, disse algumas coisas não agradáveis, e ele desligou".

 

Jabarin acredita firmemente que ele será preso em breve pelas autoridades israelenses. "Para ser franco com você, eu espero isso. Eles não respeitam a lei, não respeitam nenhum valor democrático, não respeitam nenhum procedimento justo". É assim que eles ameaçam as pessoas. Eles querem impor sua decisão, impor suas reivindicações e sua narrativa, contra as conclusões dos países europeus".

 

"Eles pensam como um regime ditatorial”

Quzmar e Jabarin acreditam que há vários fatores que levaram Israel a intensificar suas ações contra as ONGs na semana passada. O principal entre eles, dizem, é o fato de vários países doadores europeus terem rejeitado abertamente as reivindicações de Israel em relação às suas conexões com o terrorismo, bem como as motivações políticas antes das eleições israelenses de 1º de novembro, que foram desencadeadas pelo recente colapso do governo Bennett-Lapid.

 

"Como palestinos, somos sempre usados em campanhas eleitorais", declarou Quzmar. "Estou feliz que eles estejam nos usando, às organizações, e não ao nosso sangue, como fizeram em Gaza [com a "Operação Breaking Dawn" no início deste mês]. Eles estão ameaçando, mas pelo menos não estão matando pessoas".

 

Quzmar continuou: "Nosso trabalho em relação às prisões de crianças palestinas tornou-se bem conhecido, e acredito que isto fez com que Israel agisse". Eles não podem contender com os fatos que apresentamos em nossos relatórios, então a maneira mais fácil, como de costume, é fazer reivindicações sobre o antisemitismo e o terrorismo. Pela primeira vez em minha vida, posso ver que a comunidade internacional rejeitou essas reivindicações e continua a nos apoiar publicamente".

 

Também em Israel, houve expressões de apoio às ONGs palestinas: no domingo, mais de 50 organizações da sociedade civil israelense publicaram uma mensagem conjunta de apoio e solidariedade, acrescentando que criminalizar grupos de direitos humanos "é um ato deplorável, característico dos regimes repressivos".

 

Jabarin fez eco a estes sentimentos. "O objetivo é mostrar que eles [os israelenses] não escutam ninguém". Mesmo depois que os países europeus [rejeitaram as reivindicações de Israel], eles não admitirão que falharam na promoção de suas mentiras". Eles querem ameaçar as pessoas, para nos empurrar de volta". Eles não sabem que isto não é um trabalho para nós, esta é nossa fé - na justiça, no direito internacional, no direito dos palestinos a ter direitos. Eles pensam como um regime ditatorial, que você deve aceitar o que eles dizem". Os atuais funcionários da coalizão liderada pelo Primeiro Ministro Yair Lapid, Jabarin acrescentou, "querem mostrar ao público que são mais agressivos do que [ex-Primeiro Ministro] Netanyahu e seu governo".

 

Após a declaração de Gantz em outubro, as seis organizações palestinas exigiram ver as provas por trás da decisão, mas foram recusadas. Desde então, 972 e Local Call publicaram duas investigações revelando que os dossiês israelenses enviados aos diplomatas estrangeiros não apresentavam nenhuma prova real que fundamentasse suas reivindicações, como confirmado por vários governos europeus e agora pelos Estados Unidos.

 

O advogado Michael Sfard, que está representando a Al-Haq contra as acusações de Israel, disse ao 972: "Gantz decidiu eliminar as organizações a todo custo, a fim de frustrar a investigação [do Tribunal Penal Internacional] em Haia". Seu retumbante fracasso em convencer os países doadores a deixar de apoiar as organizações tornou suas ações ditatoriais e repressivas contra elas ainda mais extremas".

 

Sfard continuou: "Agora está claro que não basta que os países europeus e o governo americano declarem que não concordam com Israel, ou mesmo que critiquem as batidas nos escritórios das organizações e as ameaças contra seus diretores". O governo israelense não é influenciado por palavras e vê a Europa transmitindo "business as usual". Para proteger os defensores dos direitos humanos palestinos, a comunidade internacional deve deixar claro para o governo israelense que haverá um preço significativo - diplomático e não diplomático - para continuar a prejudicá-los".

 

Fonte: https://www.972mag.com/palestinian-ngo-directors-shin-bet/

  • Gravatar - Post by
    postado por: Oren Ziv, 972 Magazine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.